ARTICULISTAS

Fruta de Leite: a existência e suas possibilidades

Guido Bilharinho
Publicado em 30/11/2023 às 18:35
Compartilhar

Despretensioso na concepção, simples e direto na execução, assim é o romance Fruta de Leite (2013), de José Humberto Henriques (1958-), médico residente em Uberaba, já com mais de quatrocentas obras publicadas na Amazon.

Se é – e é – despretensioso, simples e direto não o é menos virtuoso. Se exercita o viver de suas personagens – com ênfase absoluta e centralidade ficcional do protagonista, o comandante do fio narrativo, o selecionador de fatos e circunstâncias, o ponderador e árbitro dos acontecimentos – não descura nem se ausenta do eixo constituidor e direcional da natureza humana em geral e de sua interligação e relacionamento cotidiano, nem do propósito humano e da percepção e ponderação equilibrada dos fatos da vida.

O que se tem, pois, na esteira da construção da arquitetura ficcional e no decorrer da extensão vivencial do protagonista-narrador, é o fluir constante e ininterrupto da vida, em seus fortes e contrafortes mais significativos.

Se nenhuma personagem (Jesualdo e Dodói, por exemplo), exercita autonomamente seu viver - narrado, analisado e julgado que é apenas pelo protagonista, por meio de quem existem e agem - não são menores, no entanto, as substâncias de seu existir e o peso e o significado de suas presenças e atuações.

Se não comandam a ação ficcional, direcionando-a, não deixam de impor diretivas aos fatos, conforme seus entendimentos e interesses.

Não obstante a narrativa seja processada e balizada pelo protagonista, as demais personagens, vivendo e agindo, manifestam acentuadas inteireza e autenticidade humanas e existenciais.

Não há, neste romance, nenhum apelo a fatos espetaculares, que costumam ensombrar e desvirtuar as narrativas que visam entretenimento.

Nele, é o fluxo da vida que escoa e dedilha miúdos acontecimentos, com suas levezas, percalços, contrariedades e satisfações, normatizadas pelas restrições, condicionantes e possibilidades da natureza humana em situação.

Nada, pois, de extraordinário, de apelativo, de distorcido. Nesse rio existencial não há corredeiras, cachoeiras e torvelinhos, mas, tão somente a essência da concretude da vida, limitada pelos contrafortes da natureza humana e sua realidade espaço-temporal.

O intuito do autor e o foco do romance nucleiam-se no ser humano, suas peculiaridades, modo de existir e de agir.

Existência e ação formam e formatam o binômio ficcional. Autêntica, legítima e real uma. Natural e possível a outra.

*

Ressaltam-se nesse fazer e nesse expor, para além da fluente e escorreita linguagem narrativa, colocações, percepções e formulações mentais e expositivas de grande originalidade perceptiva e formulativa.

Assim, por exemplo:

- "O dia tinha um dado quebrado nas entrelinhas” (capítulo 1).

- “Cachorro e cadela são, supostamente, entidades muito desconsoladas para serem aceitas como proposta de apelido" (cap. 103).

- "Um berro sem as bordas vai além dos recortados das palavras" (cap. 124).

- “Não é um nome que vai construir as abnegações do restante do mundo onde se vive” (cap. 126).

- “O nosso primeiro encontro já fizera suas âncoras" (cap. 146).

- "Estava ficando perigoso me estabelecer ali como criatura que não sabe direito o que fazer com as dúvidas" (cap. 149).

-"Aquilo não fazia parte da minha maneira de exercer a existência" (cap. 152).

- "Dormir até que o tempo desse ângulo para que a noite caísse" (cap. 164).

-"Então, eu parti atrás dela, mais tonto que mosquito que tomou tapa" (cap. 186).

______________

Guido Bilharinho
Advogado em Uberaba e editor das revistas culturais eletrônicas Primax (Arte e Cultura), Nexos (Estudos Regionais) e Silfo (Autores Uberabenses)

Assuntos Relacionados
Compartilhar

LEIA MAIS NOTÍCIAS

Nilson de Camargos Roso

Revolução cubana x ditadura brasileira

23/02/2024 às 20:53
Dom Paulo

Sacrifícios humanos

23/02/2024 às 20:52
Articulistas

História do futebol em Uberaba

22/02/2024 às 20:10
Fúlvio Ferreira

Faltou respeito!

22/02/2024 às 20:08
Heloisa Helena Valladares Ribeiro

Evangelização

21/02/2024 às 20:23
Arahilda Gomes

Criança prodígio

20/02/2024 às 18:39
Ana Maria Leal Salvador Vilanova

Ao vivo e em cores

20/02/2024 às 18:37
Articulistas

O Balconista

20/02/2024 às 18:36
Ani e Iná

Eu, tu, eles

19/02/2024 às 18:50
Articulistas

Como meus pais

19/02/2024 às 18:48
Logotipo JM Magazine
Logotipo JM Online
Logotipo JM Online
Logotipo JM Rádio
Logotipo Editoria & Gráfica Vitória
JM Online© Copyright 2024Todos os direitos reservados.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por