JM Online

Jornal da Manhã 48 anos

Uberaba, 30 de outubro de 2020 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Mamografia reduz em 30 por cento mortes por câncer de mama

Entre 609 mortes confirmadas, 13% ocorreram em mulheres acima dos 70 anos e 50% em pacientes com menos de 50 anos

#JornalDaManhã #QuemLêConfia
• WatsApp: 34 99777-7900

- Por Thassiana Macedo Última atualização: 03/10/2013 - 10:54:33.


Arquivo

A prevenção ainda é o melhor remédio contra a doença

 

O câncer de mama é o tumor que mais atinge mulheres no Brasil. De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), cerca de 52.680 novos casos foram estimados em 2012. O jornal Câncer traz novo estudo, revelando que mais de 70% das mortes por câncer de mama num grupo de 7.000 pacientes ocorreram em mulheres que não se submeteram regularmente à mamografia. O estudo reforça a principal característica desse exame, principalmente para quem tem entre 40 e 49 anos, que é salvar vidas. Entre 609 mortes confirmadas, apenas 13% ocorreram em mulheres acima dos 70 anos e 50% em pacientes com menos de 50 anos.

O câncer é uma doença que resulta da interação entre fatores ambientais e genéticos do indivíduo. Entretanto, uma parcela pequena dos tumores malignos é considerada hereditária, até cerca de 10%. “A maioria está relacionada à exposição a fatores ambientais, como tabagismo, hábitos alimentares, infecções, exposição solar, entre outros”, destaca o médico oncologista Amândio Soares.

A doença resulta do crescimento desordenado das células e dos tecidos, por motivos desconhecidos. O tecido canceroso apresenta estrutura atípica dos tecidos e órgãos dos quais se originou e capacidade ilimitada e incontrolável de se reproduzir. Seu desenvolvimento não obedece a nenhuma finalidade útil ao organismo. “O tumor tende a se disseminar e a lançar metástases, ou seja, focos secundários, a distância, para várias partes do corpo, onde então continuam a se desenvolver”, reforça Soares.

O especialista explica que alguns tipos de câncer estão diretamente relacionados a fatores ambientais, como o câncer de pulmão, associado ao hábito de fumar, e o câncer de pele, vinculado à excessiva exposição ao sol. Outros tipos, como o câncer de mama, podem estar relacionados a questões hereditárias, podendo ser passado, por exemplo, de mãe para filha.

Quando a propensão genética é constatada, a pessoa deve tomar precauções para prevenir a doença. “É importante que as pessoas saibam que muitos tipos de câncer podem ser curados, desde que diagnosticados em fases iniciais. Por isso, é fundamental realizar exames periódicos”, afirma. Se um câncer é diagnosticado antes que saia do seu lugar de origem, é muito mais provável que o tratamento obtenha sucesso.

Por exemplo, com a popularização da mamografia, as mortes por câncer de mama foram reduzidas em 30%. “A mamografia de alta definição é capaz de perceber tumores de meio milímetro. Detectados nessa fase, 90% deles têm possibilidade de cura. Portanto, sendo hereditário ou não, é importante procurar o médico caso seja diagnosticada qualquer alteração no organismo”, completa o oncologista Amândio Soares.

Siga o JM no Instagram: @_jmonline
e também no Facebook: @jornaldamanhaonline

Leia mais

Continua depois da publicidade

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia