JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 17 de julho de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Marli Martins de Assis

O amor romântico

O amor romântico está presente em toda forma de arte. Fernando Pessoa tão sensivelmente o representou, “…ele é como um traje, que, como não é eterno, dura tanto quanto dura…”. O Ser-humano, no sentido de se tornar essencialmente humano, assim se constitui no encontro com o Outro, em uma relação de alteridade e, paradoxalmente, preservando sua individualidade.

Uma vestimenta se esgarça não com o tempo de uso, mas com o mau uso que se faz dela. Uma veste que se esfacela revela o corpo de quem a carrega em si. Assim, está o cuidado para com o amor. O envolvimento amoroso requer um eterno cuidar. Um cuidado com o outro, o cuidado com o eu e o cuidar da relação.

Manter a individualização necessária para que a relação possa comportar no mínimo dois. Quando as relações amorosas se constituem com referência nos contos de fada estão fadadas ao contínuo e persistente “esgarçamento”. Quando se fundamenta num encontro de almas gêmeas, o vínculo não se sustenta, pois um dos dois se anula para a existência da fantasia do uno.

O amor deve comportar a arte do desiludir. O convívio diário requer ajustamentos fundados na emergência da realidade. Novas roupagens devem compor as escolhas dos amantes e, metaforicamente, no dia a dia, novas vestimentas devem substituir aquelas que se esgarçam com o mau uso no tempo ou as que se esfacelam e expõem a nudez do eu em sua mais singela vulnerabilidade. O amor comporta uma variação de “moldes” que se ajustam harmoniosamente ou não ao serem tecidas as relações. Estas se fundam nos desejos e são eles que fomentam a relação. Assim, parafraseando Pessoa, “…o amor romântico, portanto, é um caminho de desilusão.

Só não o é quando a desilusão, aceite desde o princípio, decide variar de ideal constantemente, tecer constantemente, nas oficinas da alma, novos trajes, com que constantemente se renove o aspecto da criatura, por eles vestida”.          

(*) Psicóloga Judicial; presidente do IBDFAM – núcleo de Uberaba
ibdfamnucleouberaba@gmail.com

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia