JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de julho de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Marília Andrade Montes Cordeiro

Este ano

Vivemos como se fôssemos imortais!

Qualquer tema relacionado à morte nos causa medo, repulsa e até pânico.

E, preocupados em viver, evitamos pensar na morte...

Com as celebrações de fim de ano, surge fatalmente certa nostalgia, que nos leva a profundas e densas reflexões. Nosso pobre espírito, entorpecido pelo cansaço e indefiníveis emoções, contrai-se e, como num difícil parto, enche-se de esperança pelo que virá.

E, então, um novo recomeço surge jubiloso e cheio de promessas e propostas, que logo serão substituídas por novos projetos.

Este ano me impus um novo requisito. Sem falsas e vãs ilusões. Nada de lista. Nada de metas.

Quero apenas aprender a viver cada dia como se realmente fosse o último. Me obrigar a ter a morte como companheira. Meditar muito e me conectar com meu Deus interior.

E, então, buscar nas 24 horas diárias os recursos de paz, otimismo, doação, que, com certeza, existem dentro de cada um de nós.

A bênção de viver nos foi dada para aprendermos a lidar com as diferenças, para crescermos em harmonia, para nos aprofundarmos na difícil arte de amar, sem regras e tabus.

Enquanto isso, vamos trabalhando.

A divindade existe dentro de nós. Portanto, nós podemos!

Transformar o que não está bom. Formar um exército divino.

Sempre haverá esperança para aqueles que realmente buscam um caminho nas trilhas internas.

Renasço com 2016.

E, fortalecida pela vontade de compartilhar a paz que me invade, serei guiada para um novo e surpreendente ano. Eu acredito.

Quero muito caminhar ao lado dos que creem com paixão! Bem-vindo, 2016!   

(*) Mãe de família

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia