JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 23 de maio de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Articulistas

Outros Articulistas

Moura Miranda

Futebol de Salão de Uberaba: Celeiro de craques

 OLHO NO OLHO
CHEGOU A HORA
Acabou a moleza. No próximo fim de semana começa a fase decisiva da Terceira Divisão e o Uberaba deve fazer a sua estreia em casa. Como não conseguiu terminar entre os três clubes de melhor campanha na primeira fase, o Colorado já sabe que na última rodada terá que jogar bem longe da sua torcida.

SEM VACILO
Todos no Colorado sabem perfeitamente que daqui para frente não pode ter vacilo. Qualquer resultado inesperado poderá representar mais um ano na pior competição do futebol mineiro. A matemática mais simples é vencer os cinco jogos que fará em casa e pelo menos mais um no campo do adversário. Qualquer tropeço em casa representa a necessidade de ter que vencer mais jogos fora.

SEM EMPATES
Em uma competição onde somente as duas primeiras colocações interessam, o time que jogar defensivamente dificilmente conseguirá o seu objetivo. O negócio é ganhar três pontos. Por isto espera-se que o Uberaba seja um time corajoso, que jogue pra frente.

CONFIANÇA

Confiança não falta. A maioria acredita que o elenco é bom. A estrutura é boa, é só cada um produzir o que pode e o Uberaba Sport Club estará de volta à Segunda Divisão. Otimismo e teoria ajudam, mas é preciso superar os adversários que também estão com o mesmo objetivo.

BRIGA BOA

O ex-presidente Uberaba, Luiz Humberto Borges, entrou na Justiça contra antigos dirigentes exigindo compensação de perdas que o clube teve no passado, inclusive do Estádio Boulanger Pucci. Será uma briga boa e no lugar certo: no Tribunal.

FALATÓRIO

Fala-se muito sobre esta questão e muitos têm opinião formada sem ter conhecimento pleno do que aconteceu. Espero que a Justiça resolva o problema e quem tiver algo a pagar, que pague. Espero também ainda estar vivo quando o assunto for encerrado definitivamente.

BRASILEIRO
Reta final emocionante do Campeonato Brasileiro. Quem acreditava que o Cruzeiro já era campeão há muito tempo tem levado sustos com os últimos resultados do time mineiro. Sorte dos cruzeirenses é que quando ele perde os concorrentes também vacilam. É bom parar de deixar por conta da sorte e começar a jogar novamente o futebol que lhe deu uma boa vantagem.

IN MEMORIAN
Morreu no último fim de semana Lori Paulo Sandri, treinador do Uberaba Sport Club na década de 70. Ele era jogador do Pinheiros, de Curitiba, sofreu uma contusão grave e assumiu o comando da equipe.
Ele veio a Uberaba com o Pinheiros fazer dois amistosos e logo em seguida foi contratado pelo Colorado, que disputava o Campeonato Brasileiro. Na verdade, o início de sua carreira como treinador profissional foi aqui, fato que a imprensa ignorou ao noticiar sua morte. Ele trouxe para Uberaba, do futebol paranaense, vários jogadores, entre os quais, Edvaldo, que o USC vendeu para o Atlético-MG, Sérgio Záia, Vaquinha, Osmarzinho, Zé Roberto, Dirceu Batata e Zé Miguel.

 


FUTEBOL DE SALÃO: CELEIRO DE CRAQUES


O futebol de salão de Uberaba foi, através dos tempos, um celeiro de craques, não somente para as quadras, mas também para os gramados. A história do esporte da cidade está repleta de atletas que iniciaram suas carreiras nas pequenas quadras de cimento e ganharam os maiores ginásios e os maiores estádios do Brasil. Hoje vamos homenagear esta modalidade esportiva que teve vários personagens de vulto que se destacaram em duas eras: Era Washington Madeira e Era Luiz Alberto Medina. As fotos e o nosso Bate-Bola vão contar um pouco desta história.

 

   
 
 Jogadores como Toinzinho, Paulo Luciano e Aender, que atuaram, entre outros clubes, no Santos e no Cruzeiro, começaram no futebol de salão de Uberaba  

 

 

   
 
 A quadra de cimento do UTC foi o começo para muitos craques  

 

 

   
 
 Este time do São Benedito é apontado como o melhor da história do futebol de salão de Uberaba  

 

 

   
 
 Outra formação do São Benedito nos anos 70  

 

 

   
 
 Depois de passar pela Seleção Mineira de Salão, Aender e Toinzinho chegaram também na de futebol de campo  

 

 

   
 
 Tendo Washington como técnico, o Jockey foi base para a Seleção Mineira com Amadeu, Luiz Alberto, Carlos Maria e Jesus Paulo  

 

 

   
 
 Uma das formações do Jockey dos anos 70  
   
 
 Jockey, campeão mineiro juvenil de 1978  

 

 

   
 
 Com Luiz Alberto no comando, este time infantil do Jockey revelou vários craques do futsal  

 

 

   
 
 Time juvenil do Jockey Club  

 

 

   
 
 Time adulto do Jockey nos anos 90  

 

 

   
 
 Uma das últimas conquistas do futsal de Uberaba foi o título da Copa TV Integração  

 

 

   
 
 Nos anos 80, no Ginásio João Hercos Filho, o futebol de salão ganhou espaço fora dos clubes tradicionais  

 

 

   
 
 Empresas como Drogaria Moderna, Crefisul, Super G e Organizações Magalhães investiram na montagem de bons times de futsal nos anos 80/90  


BATE-BOLA

O nosso Bate-Bola de hoje é com Washington Luiz Marques Madeira, pioneiro dos treinadores na fase áurea do futebol de salão de Uberaba, que revelou, entre outros craques, Toinzinho, Paulo Luciano, Aender, Saraiva, Diron, Ernani, Fabinho, Luiz Alberto, Euler, Amadeu, Tonico, Durvalzinho e muitos outros.

Futebol de salão de ontem?
Muito mais técnico, muito mais emocionante. A base para quem queria jogar futebol de campo estava no salão.

Futsal de hoje?
Mais teatro, show. Lateral e escanteios cobrados com os pés, goleiro jogando na linha, uma verdadeira pelada. E com muito dinheiro envolvido.
Quais os jogadores de sucesso no futebol de Uberaba que começaram no salão?
Todos. Podem falar até que fulano começou no timinho de pelada no bairro tal, mas, na verdade, ele começou mesmo foi no salão. Nas quadras que existiam na época.

Como você dividiria a história do futebol de salão em Uberaba?
Em três fases: a primeira que não existia de forma organizada, depois comigo existiu e depois de mim acabou.

Por que acabou?
Porque não encontrou outro com a dedicação total que eu tinha. Deixei algumas pessoas que aprenderam comigo, mas com o tempo não deram conta.

O que você acha que aconteceu?
O futsal se tornou caro e aqui em Uberaba os investimentos são difíceis. Numa cidade que Uberaba e Nacional não conseguem patrocinadores, manter o futsal em nível profissional teria que ter muita dedicação e esforço.

Você tem esperanças de que os bons tempos voltem?
Acho difícil. Vejo o Vandinho (diretor do clube) e o pessoal do Jockey com boas intenções. Tomara que dê certo.

Quem foi o melhor jogador de futsal do Brasil? Manoel Tobias ou Falcão?
Vou falar primeiro dos dois: Falcão é bom jogador, mas é mais malabarista, mais show. Manoel Tobias era pivô, mas finalizador.

E o melhor do Brasil?

De todos os tempos? Jackson (jogador do Olímpico nos anos 70/80) foi craque, mas o melhor que vi jogar chama-se Paulo Luciano Deodato. Se jogasse hoje não tinha igual.

Qual o melhor time que Uberaba já teve?
O São Benedito do professor Minervino Cesarino, o homem que abriu as portas do futebol de salão para Uberaba.

E a melhor seleção da cidade de todos os tempos?
Goleiro, vou citar dois: Amadeu e Euler. Depois Vadinho, Aender, Toinzinho e Paulo Luciano. Com eles e mais alguns revelados aqui eu disputaria hoje o Brasileiro e ganharia.

E no futebol de Uberaba quais foram os principais jogadores que você viu atuar?
Paulinho da Lolita, o melhor de todos, Tatti e Toinzinho. Hoje eles jogariam no Barcelona.

 

 

 

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia