JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 22 de janeiro de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

SOBRE RODAS

É preciso levar a sério a presença da bagagem

As férias estão aí. É tempo de viajar e esquecer os problemas, mas também de lembrar que a bagagem faz parte da tripulação e os cuidados devem ser redobrados

12/01/2019 - 00:00:00.

Foto/reprodução


Lugar de criança é sentada no banco traseiro do carro com cintos afivelados e bem apertados e nunca no porta-malas misturada à bagagem. As bagagens jamais devem ser transportadas nos bancos traseiros, mesmo que estes sejam rebatidos. Durante uma freada brusca, a carga se movimenta e pode causar um acidente de sérias proporções

Muitos motoristas ainda não se dão conta da importância e necessidade de transportar a bagagem de seu carro com segurança. Levam caixas pesadas, malas enormes, sacolas cheias de brinquedos pontiagudos e até misturam as crianças com estas tralhas no bagageiro do carro sem ter uma noção mínima de como funciona a dinâmica de um acidente.

Esta matéria está sendo publicada pelo Sobre Rodas depois de uma pesquisa em sites que são referência neste assunto. O objetivo maior é levar conhecimento ao motorista sobre os procedimentos corretos para manter a integridade física e a segurança dele e dos passageiros que estão sob sua responsabilidade durante as viagens de férias ou finais de semana prolongados.

SEM CARGA SOLTA

Gerson Burin, coordenador técnico do Cesvi Brasil - Centro de Experimentação e Segurança Viária, em entrevista à revista Autoesporte, explica que a primeira recomendação é evitar o transporte de qualquer carga solta dentro da cabine. “Em uma colisão, esses objetos vão inevitavelmente se deslocar pelo interior do veículo e podem causar ferimentos nos ocupantes”. Outra advertência feita pelo entrevistado é a de que o deslocamento também pode acontecer em uma frenagem mais forte - e, mesmo se não atingir os passageiros, a movimentação da carga pode assustar ou tirar a atenção do motorista, levando a um acidente. 

PORTA-MALAS

Ainda segundo Gerson Burim, muitos motoristas, na ânsia de aumentar a capacidade do porta-malas, deitam os bancos traseiros para carregar objetos mais longos ou de maior volume. “O porta-malas é o compartimento que foi projetado especificamente para o transporte de carga e, no caso de uma colisão ou frenagem, seu conteúdo permanece isolado da cabine e dos passageiros”. Ele explica ainda que, caso seja necessário levar algum volume dentro da cabine, ele precisa estar ancorado ou preso com o cinto de segurança, jamais solto.

NUNCA NO BANCO DE TRÁS

O site Pé na Estrada publicou um vídeo na semana passada mostrando que não se deve acomodar bagagem no banco de trás e muito menos obstruir a visão do motorista. Segundo o vídeo, não se deve nunca obstruir a visão das janelas - laterais ou traseira - e que a base dos vidros é o limite para se acomodar objetos. Quando se ultrapassa essa linha, o motorista perde campo visual através do retrovisor interno.

CUIDADO COM O PESO

O jornalista Paulo Gama, em matéria publicada no Gazeta Online do Espírito Santo, destaca que o peso é outro fator a ser observado. Ele escreve em sua matéria que os veículos têm uma capacidade carga máxima que é mostrada no Manual do Proprietário do Carro. O excesso de peso pode provocar fadiga ou quebra dos componentes mecânicos, principalmente nos freios e suspensão, ou o estouro de um pneu, levando a um acidente fatal.

CALIBRAGEM DOS PNEUS

Em matéria publicada na Revista 4 Rodas, o jornalista Juliano Barata ensina que “ao carregar vários passageiros e suas respectivas bagagens, o motorista precisa ficar atento. Nesta condição, a calibragem dos pneus recomendada pela fábrica é diferente, e também deve ser checada no manual do proprietário”. Ele adverte ainda ao motorista para não se esquecer de fazer a calibragem com os pneus ainda frios, nos primeiros quilômetros após sair de casa. “Com o aumento da temperatura da carcaça, o ar se expande, causando um aumento de pressão que levará a uma calibragem incorreta”, disse o profissional.

DIREÇÃO DEFENSIVA

Outra explicação dada por Juliano Barata é em relação à dirigibilidade. “Com muita carga, a atitude ao volante também deve sofrer mudanças: um grupo de cinco adultos representa quase 50% do peso de um compacto de entrada. O potencial de aceleração, frenagem e contorno de curvas é reduzido drasticamente, requerendo maior planejamento nas manobras de ultrapassagem e atenção triplicada nas descidas de serra”, finalizou. 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia