Publicidade
Rádio JM
Canais Facebook Twitter RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
SAÚDE
Tamanho do texto: A A A A
Thassiana Macedo - 23/12/2009

Fogo selvagem tem cura, mas exige persistência

Compartilhar:

Uberaba perdeu a fundadora do Hospital do Pênfigo, Aparecida Conceição Ferreira, mas não deixará de ser referência no tratamento do pênfigo. A doença, que é mais conhecida como fogo selvagem, é extremamente dolorosa, por ser caracterizada essencialmente pelo aparecimento de bolhas sobre a pele, principalmente no tórax, rosto e couro cabeludo. Em alguns casos, pode evoluir para todo o corpo, inclusive atingindo órgãos internos.
 
Por ser uma doença envolvida por muito desconhecimento, não é possível precisar quantas pessoas sofrem de pênfigo no Brasil. No entanto, sabe-se que somente o Hospital do Pênfigo atende cerca de 3.600 pessoas por mês para tratamento. Dividida em dois tipos, de acordo com a agressividade, existe o pênfigo foliácio e o vulgar.
 
Segundo a psicóloga hospitalar Maria Heloísa Vieira, filha de Dona Aparecida, as dúvidas sobre as causas é o que gera a crença de que ela é contagiosa, quando não é verdade.
 
Ela explica que é o organismo do paciente que produz anticorpos atuantes contra substâncias da pele, o que causa as bolhas. Maria Heloísa atende no Hospital do Pênfigo em Uberaba, e afirma que é por isso que ela não é contagiosa. Mas o preconceito ainda é um fator que dificulta o tratamento, que já é doloroso. “O isolamento dos doentes é necessário, mas não pelo contágio. É para preservar o próprio doente, que tem a pele comprometida, geralmente ficando em carne viva e mais suscetível às infecções”, conta a psicóloga. Ela frisa que o mais importante é evitar as complicações, porque há maneiras de controlar a doença, o que é feita com medicamentos, banhos tópicos, em solução produzida no próprio hospital, e óleo hidratante.
 
A psicóloga destaca que a doença é marcada por manifestações recorrentes durante toda a vida. Umas das explicações seriam as mudanças emocionais que interferem decisivamente no funcionamento dos anticorpos. “Podemos dizer que a cura existe, porém, o tratamento leva em média de 5 a 7 anos. Percebi que o fator emocional está sempre presente, tanto nas fases da doença quanto no seu aparecimento”, afirma Maria Heloísa.
 
Para a psicóloga, a primeira atitude deve vir do paciente e de sua família, que precisam acreditar na possibilidade de melhora, já que a cura existe. “E é importante que a comunidade também esteja presente, não deixando de ajudar o hospital para que o atendimento seja mantido”, finaliza
 


OUTRAS NOTÍCIAS


Banco de Leite Humano convoca lactantes para doações (19/02)
Exame deve ser feito apenas em casos de predisposição à doença (31/01)
Homens brasileiros subestimam o risco de osteoporose, diz pesquisa (31/01)
Nova equipe econômica promete um ano de ajustes para 2015 (30/12)
Cerveja faz bem à saúde, se consumida na medida certa (14/12)
Vacinação contra paralisia e sarampo é prorrogada em Uberaba (13/12)
Atividade física e suplementos atrasam progressão da Sarcopenia (13/12)
Anvisa atualiza lista de antibióticos com a venda controlada no Brasil (12/12)
Baixo desempenho na escola pode ser um sinal de dislexia (12/12)
Cardiologista lança tratado sobre a estimulação cardíaca artificial (12/12)
Traumas cerebrais podem provocar casos de epilepsia (11/12)
Perda de massa muscular atinge mais de 50 milhões de pessoas (10/12)
Com o verão, aumenta a procura por procedimentos estéticos (09/12)
Mamografia permite diagnóstico mais precoce do câncer de mama (07/12)
Tratamento cirúrgico só em último caso, alerta especialista (06/12)
Possibilidade de desenvolver o problema é maior durante verão (06/12)
Cerveja não ajuda a eliminar o cálculo renal, diz urologista (06/12)
Especialista dá dicas para um bronzeado com saúde neste verão (05/12)
Medicamento possibilita melhor qualidade de vida a pessoas com autismo (05/12)
Mutirão de prevenção do câncer de próstata atendeu mais de 1.600 (05/12)




Banner Giovanna Prata lateral superior
Especial Aniversário uberaba
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

Banner blog mais bella
ENQUETE
A Câmara Municipal de Uberaba vai mudar o horário das sessões ordinárias para o período matutino. Você aprova a mudança?




JM FORUM
O MEC abriu audiência pública para ouvir os cidadãos sobre o Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Quais são os principais pontos a serem discutidos para a melhora, na sua opinião?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2015