JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 23 de setembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

POLÍTICA

Mulheres representam 54% dos eleitores de Uberaba, aponta TSE

Segundo informações do TSE, a maioria, que representa 31.638 mulheres uberabenses, está na faixa etária de 45 a 59 anos

- Por Thassiana Macedo Última atualização: 08/03/2018 - 07:41:49.

Perto do Dia Internacional da Mulher, celebrado dia 8 de março, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) realizou levantamento e constatou que 52% do eleitorado brasileiro é formado por mulheres, somando mais de 77 milhões até fevereiro deste ano. Em Uberaba, esse percentual chega a quase 54%, o que corresponde a 127.272 eleitoras. No entanto, os dados estatísticos também mostram que o número de candidatas é desproporcional ao número de mulheres politicamente aptas a votar e também a serem votadas.

Segundo informações do TSE, a maioria, que representa 31.638 mulheres uberabenses, está na faixa etária de 45 a 59 anos. Em seguida, aparecem as mulheres de 35 a 44 anos, que somam 24.716. Já em terceiro lugar aparece a faixa etária de 25 a 34 anos, somando 24.525 eleitoras.

Os números mostram que essas mulheres estão em plenas condições de exercer a soberania popular prevista na Constituição Federal de 1988, que define a possibilidade de votar e se candidatar nas eleições como um valor igual para todos. Porém, nas últimas eleições municipais, em 2016, apenas 31,89% dos brasileiros que se candidataram eram mulheres. A primeira vez que as candidaturas femininas alcançaram 30% do total de candidaturas de um pleito no país foi nas eleições de 2012.

Entretanto, desde 2009, a Lei das Eleições nº 9.504/97 estabelece, em seu artigo 10, que, nas eleições proporcionais, para os cargos de deputado federal, estadual e distrital e de vereador, “cada partido ou coligação preencherá o mínimo de 30% e o máximo de 70% para candidaturas de cada sexo”. Ou seja, mesmo após sete anos da criação das “cotas de gênero”, o número de mulheres candidatas alcançou pouco mais que o mínimo.

Com a obrigatoriedade, surgiu também as “candidatas laranja”. Em 2016, mais de 16 mil candidatos terminaram a eleição sem ter recebido sequer um voto, ou seja, nem o próprio candidato votou em si, mesmo concorrendo com o registro deferido. Desse total, 14.417 eram mulheres e 1.714 eram homens, o que levou o Ministério Público Eleitoral a orientar os procuradores a apurar a veracidade das assinaturas e documentos que constam no registro de candidatura. Em caso de comprovação de irregularidades, os responsáveis podem responder por falsidade ideológica. Em Uberaba, duas candidatas a vereadora pelo PRP e PMN não receberam nenhum voto. O mesmo ocorreu em Delta, Água Comprida e Campo Florido.

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia