JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de outubro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ESPORTE

Depois do hepta, Timão reassume liderança de ranking digital

Com o título, o Timão somou mais de 316 mil inscritos e abriu vantagem de mais de 70 mil para o Flamengo, que vinha na dianteira

Última atualização: 07/12/2017 - 08:20:03.

Foto/Divulgação


A conquista do sétimo título brasileiro ajudou o Timão no ranking digital do Ibope/Repucon

 

Por mais organizado e bem administrado que seja um clube, não há como negar que resultados é que fazem a diferença. O crescimento de seguidores com a conquista do heptacampeonato levou o Corinthians a reassumir a liderança do ranking digital dos clubes no levantamento de dezembro do Ibope/Repucon.

Com o título, o Timão somou mais de 316 mil inscritos e abriu vantagem de mais de 70 mil para o Flamengo, que vinha na dianteira desde setembro, quando chegou à final da Copa do Brasil. Já o Grêmio, campeão da Libertadores, registrou seu maior crescimento do ano, somando 204 mil novos inscritos, o que representa 24% das 869 mil inscrições de 2017. 

Até clubes de menor torcida sentiram a força dos resultados. O América-MG e o Paraná, que garantiram o acesso à Série B, tiveram as maiores taxas de crescimento entre os 40 clubes monitorados. 

O engajamento digital é considerado hoje um indicador poderoso do relacionamento clube-torcida, é um gerador de receitas diretas e indiretas que pode, se bem administrado, ter impacto crescente no orçamento das instituições.

Vídeo. Durante o Congresso Brasileiro de Direito Desportivo, realizado pela Federação Paulista de Futebol na Faculdade de Direito do Largo de São Francisco, na Universidade de São Paulo, os quatro presidentes dos grandes clubes paulistas discutiram a profissionalização da arbitragem. E apenas Roberto de Andrade, do Corinthians, não previu evolução com a medida.

“A arbitragem, mesmo sendo profissionalizada, não vai mudar, só vai custar mais caro. O árbitro de vídeo tem eficiência muito maior, vai cooperar bastante.  A profissionalização não vai mudar nada. O árbitro não precisa ler livro de regra, eles sabem todas, e a maioria dos casos é interpretativa, cada um tem seu critério. E isso vai continuar. O investimento deveria ser no árbitro de vídeo”, declarou Roberto de Andrade.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia