JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 26 de junho de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ESPORTE

STJD marca sessão que pode manter Uberaba no Módulo II

No Tribunal, Uberaba Sport busca direito definitivo de permanecer na Segunda Divisão do Mineiro

11/06/2019 - 00:00:00. - Por Tiago Mendonça Última atualização: 11/06/2019 - 13:59:25.

O embate jurídico entre Uberaba Sport Club e Esporte Clube Democrata (de Governador Valadares) pode estar perto do fim. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) colocou o processo envolvendo as partes em pauta para julgamento nesta quinta-feira (13), a partir das 14h30, em São Paulo, na sede do Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo (TJD-SP). 

Para se livrar do rebaixamento, o USC tenta manter a decisão do Tribunal de Justiça Desportiva de Minas Gerais (TJD-MG), que puniu o Democrata com a perda de três pontos no Módulo II deste ano por escalação irregular de atleta, o que acabou derrubando o clube de divisão no Estadual.

O julgamento, porém, ainda pode ser adiado, por questões logísticas, segundo informou ao Jornal da Manhã o consultor jurídico do USC, Luiz Fernando de Freitas. O adiamento, no entanto, não foi oficializado até o fechamento desta edição.

Nesse processo, de número 110/2019, o Uberaba entra como terceira parte interessada; o Democrata é o recorrente e o TJD-MG o recorrido. O Colorado será representado pelos advogados Henrique Saliba e Carlos Francisco Pereira. O auditor relator é Ronaldo Botelho Piacente. 

O caso. O Democrata escalou irregularmente o jogador Jean Carlos de Andrade em um jogo contra o Athetic Club, pelo Módulo II desse ano, com número de inscrição diferente do original, de um homônimo. No primeiro julgamento, em abril, o TJD-MG absolveu o clube e encerrou o caso. Entretanto, a Procuradoria não concordou e pediu a reabertura do processo. Em segunda instância, em maio, o Pleno sentenciou contra a Pantera, que recorreu ao STJD. Caso seja novamente derrotado, o Democrata ainda pode recorrer ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS), na Suíça. Entretanto, nesse tipo de caso, os custos na instância internacional inviabilizam o recurso.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia