JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 22 de abril de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ESPORTE

Flamengo diz que material dos contêineres não é propagador de fogo

A maneira como o incêndio ocorreu levantou suspeitas sobre o uso de materiais inflamáveis na montagem dos módulos

11/02/2019 - 00:00:00. - Por Folhapress

O Flamengo afirmou neste domingo que o poliuretano injetado nas divisórias dos módulos que abrigavam os jogadores mortos em incêndio na sexta (8) era "auto-extinguível", ou seja, não propaga chamas.

A maneira como o incêndio ocorreu levantou suspeitas sobre o uso de materiais inflamáveis na montagem dos módulos. A Polícia Civíl vai convocar representantes da fornecedora do clube para depor.

Os módulos foram fornecidos pela empresa NHJ, com sede no Rio, para a montagem de estrutura provisória para os jogadores das categorias de base. De acordo com o clube, a empresa detém todas as certificações exigidas pela legislação.

O clube defendeu ainda que os módulos habitacionais utilizados no centro de treinamento atendem a todas a normas do Ministério do Trabalho sobre edificações.

"Vale ressaltar que representantes da empresa NHJ - em reunião realizada na manhã deste domingo, na sede da Gávea - esclareceram que o poliuretano utilizado entre as chapas metálicas não é propagador de incêndios", afirmou o clube.

Na nota, o Flamengo reafirma que os seis aparelhos de ar condicionado instalado ano alojamento passaram por manutenção no dia 5 de fevereiro, três dias antes do incêndio. O serviço foi prestado pela empresa Colman Refrigeração.

O clube se comprometeu a continuar pagando os salários das vítimas do incêndio. Além dos dez mortos, há três feridos - um deles em estado grave, com cerca de 30% do corpo com queimaduras de segundo e terceiro graus.

"Estamos empenhados, prioritariamente, em amparar as famílias de forma material, moral e psicológica", afirma o texto distribuído neste domingo.

No sábado, o presidente do Flamengo, Rodolfo Landim, se reuniu com as famílias das vítimas e prometeu apoio financeiro também em traslados de corpos. Todos as dez vítimas já foram identificadas pelo IML (Instituto Médico Legal) e liberadas para remoção por seus parentes.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia