JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 21 de outubro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

O que nos espera?

Tornou-se frequente em nosso país estabelecer uma relação de causa

- Por Aristóteles Atheniense Última atualização: 21/09/2014 - 12:03:42.

Tornou-se frequente em nosso país estabelecer uma relação de causa e efeito entre a recessão técnica que estamos vivendo com a economia dos Estados Unidos.

Recentemente, diante do PIB dos dois últimos trimestres, esta justificativa encontrou alguns defensores, como se a situação dos EUA comportasse o temerário paralelo defendido pelo ministro Guido Mantega e os defensores dos métodos postos em prática em sua vacilante Pasta.

Ao contrário do que sucedeu no Brasil, no segundo trimestre do corrente ano, os EUA conseguiram compensar a contração do primeiro trimestre, o que importou numa trajetória ascendente. O Banco Central, Federal Reserve, sustentou que no segundo trimestre houve uma melhoria no mercado de trabalho com a queda do desemprego. Em razão disso, os indicadores sugerem a ocorrência de uma defasagem significativa no mercado, com a inflação aproximando-se da meta de 2% ao ano.

Diante desse resultado promissor, o FED pretende reduzir as suas contas de hipotecas em notas do Tesouro em US$25 bilhões por mês. Já o PIB, avançou a uma taxa anual ajustada sazonalmente para 4% no segundo trimestre, superando a expectativa dos economistas que a prognosticavam em 3%.

Assim, a economia que no primeiro trimestre encolheu a 2,1%, prejudicada pelo inverno rigoroso que atingiu todo o país, tende a recrescer, conforme anunciou o Departamento de Comércio.

Agora, no segundo semestre, os consumidores estão desfrutando de melhor oportunidade de emprego e de aumento de sua renda.

Na opinião do economista Stuart Hoffman, “como o custo dos empréstimos ainda está baixo, as empresas estão investindo, preparando-se para atender à demanda mais forte que se espera nos próximos meses”.

Especialistas do Banco J.P. Morgan Chase e da firma de previsões Macroeconomic Advisers chegam a admitir que nos últimos meses de 2014 sobrevirá um crescimento superior a 3%. Se isto ocorrer, será um resultado promissor, pois, em quase dez anos, os norte-americanos não conviveram com um crescimento em três trimestres consecutivos.

Então, a prevalecer a versão de que a situação do Brasil está umbilicalmente ligada à dos EUA, se houver realmente esta melhoria expressiva, certamente os seus reflexos atingirão a política, até agora trepidante, que viemos a conhecer desde o início do governo da presidente Dilma Rousseff.

Resta esperar e torcer para que isto aconteça.

(*) Advogado e conselheiro nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia