Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 21/09/2014

O que nos espera?

Compartilhar:

Tornou-se frequente em nosso país estabelecer uma relação de causa e efeito entre a recessão técnica que estamos vivendo com a economia dos Estados Unidos.

Recentemente, diante do PIB dos dois últimos trimestres, esta justificativa encontrou alguns defensores, como se a situação dos EUA comportasse o temerário paralelo defendido pelo ministro Guido Mantega e os defensores dos métodos postos em prática em sua vacilante Pasta.

Ao contrário do que sucedeu no Brasil, no segundo trimestre do corrente ano, os EUA conseguiram compensar a contração do primeiro trimestre, o que importou numa trajetória ascendente. O Banco Central, Federal Reserve, sustentou que no segundo trimestre houve uma melhoria no mercado de trabalho com a queda do desemprego. Em razão disso, os indicadores sugerem a ocorrência de uma defasagem significativa no mercado, com a inflação aproximando-se da meta de 2% ao ano.

Diante desse resultado promissor, o FED pretende reduzir as suas contas de hipotecas em notas do Tesouro em US$25 bilhões por mês. Já o PIB, avançou a uma taxa anual ajustada sazonalmente para 4% no segundo trimestre, superando a expectativa dos economistas que a prognosticavam em 3%.

Assim, a economia que no primeiro trimestre encolheu a 2,1%, prejudicada pelo inverno rigoroso que atingiu todo o país, tende a recrescer, conforme anunciou o Departamento de Comércio.

Agora, no segundo semestre, os consumidores estão desfrutando de melhor oportunidade de emprego e de aumento de sua renda.

Na opinião do economista Stuart Hoffman, “como o custo dos empréstimos ainda está baixo, as empresas estão investindo, preparando-se para atender à demanda mais forte que se espera nos próximos meses”.

Especialistas do Banco J.P. Morgan Chase e da firma de previsões Macroeconomic Advisers chegam a admitir que nos últimos meses de 2014 sobrevirá um crescimento superior a 3%. Se isto ocorrer, será um resultado promissor, pois, em quase dez anos, os norte-americanos não conviveram com um crescimento em três trimestres consecutivos.

Então, a prevalecer a versão de que a situação do Brasil está umbilicalmente ligada à dos EUA, se houver realmente esta melhoria expressiva, certamente os seus reflexos atingirão a política, até agora trepidante, que viemos a conhecer desde o início do governo da presidente Dilma Rousseff.

Resta esperar e torcer para que isto aconteça.

(*) Advogado e conselheiro nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018