JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 19 de outubro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Pão nas mesas

O alimento é uma das dádivas da natureza, dom de Deus

- Por Dom Paulo Mendes Peixoto Última atualização: 02/08/2014 - 20:23:48.

O alimento é uma das dádivas da natureza, dom de Deus e necessário para a sobrevivência das pessoas. A natureza é sempre muito fértil e, quando bem cuidada, produz o suficiente para as necessidades primárias dos animais e dos seres humanos. Mas isto depende também da forma de distribuição dos bens colhidos. Ninguém precisaria passar fome, principalmente no Brasil, com tanta terra e tanta fertilidade.

A política do agronegócio ajuda no desenvolvimento do país, enriquece pessoas e grupos privilegiados, mas dificulta a economia familiar. Matar a fome supõe poder de compra para suprir de alimento as mesas da população. Isto tem sido atendido nos últimos tempos, mas muitas famílias ainda carecem de condições para conseguir alimento suficiente.

Na Bíblia encontramos a preocupação do Senhor com a alimentação do povo. No deserto mandou o maná, alimento para cada dia e sem necessidade de acúmulo, de preocupação exagerada com o dia de amanhã (Ex 16, 20). Também Jesus multiplica pães para não deixar o povo passar fome (Mt 14, 19-21).

A porcentagem de alimento jogado no lixo em nosso país é grande. Isto afronta a dignidade de muita gente que não tem o mínimo para sua sobrevivência. Também não podemos deixar de destacar o gesto de doação do que sobra para as entidades que prestam serviço aos mais carentes. Jogar fora o que ainda é aproveitável é deixar de exercer a virtude da caridade.

Onde há partilha não existe fome e tudo se multiplica. Como disse Jesus: “Quem vos der um copo de água para beber porque sois de Cristo, não ficará sem receber a sua recompensa” (Mc 9, 41). Nisto está o sentido do dízimo, gesto de vida comunitária e de gratidão a Deus pelo dom da vida.

Além do pão das mesas, temos também o pão da Palavra de Deus, a mensagem do Reino, que motiva as pessoas para a prática da partilha, do despojamento em benefício do outro. Muitos têm fome de alimento material, mas também fome de Deus em seus corações.

(*) Arcebispo de Uberaba

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia