JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 14 de agosto de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Vampirismo energético

Você já percebeu que existem certas pessoas de seu convívio

Por Eliana Barbosa. Última atualização: 01/07/2014 - 20:36:50.

Você já percebeu que existem certas pessoas de seu convívio que parecem sugar todas as suas energias? Elas se aproximam cheias de elogios, bajulações e conquistam sua confiança. Depois, só aparecem para reclamar, falar mal dos outros e exigir sua atenção e soluções para os problemas delas. E o pior é o quanto deixam o ambiente carregado...

E aí você se sente acuado, sem forças para dizer “não” quando é preciso, e vai se desgastando cada vez mais, atendendo às exigências desses “vampiros energéticos”.

Como fazer, então, para se proteger desse assédio?

• Seja mais criterioso na escolha de suas amizades e relacionamentos afetivos. 

• Cuidado com pessoas que seduzem pela adulação.

• Tenha cautela com o comportamento vaidoso de querer resolver tudo para todos – é assim que você abre as portas de sua vida para um sugador de energia.

• Aprenda a dizer “não” sem se sentir culpado por isso. Um “não” para as pessoas folgadas e abusadoras pode lhe poupar muitos aborrecimentos no futuro.

• Para se preservar, procure se afastar dessas pessoas egoístas que nunca irão valorizá-lo.

• Caso esses sugadores de energia façam parte do seu dia a dia, procure se impor, não dando atenção às críticas, maledicência e reclamações. Quando eles começarem com essas ladainhas, arrume uma desculpa e saia de perto.

• Isso não é egoísmo e sim, autoamor, porque se você não se cuidar, acabará esgotado com tanta conversa fiada e cobranças descabidas.

• Entenda que você jamais conseguirá mudar a natureza dos outros, então, mude você de postura tornando-se mais vigilante em relação aos seus pensamentos, às suas amizades e conversas.  

• Finalizando, proteja-se espiritual e energeticamente com orações diárias, rogando por você e por essas pessoas que ainda precisam da energia alheia para sentirem-se vivas.

(*) www.elianabarbosa.com.br

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia