Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 24/04/2014

Eleio simulada

Compartilhar:

A história das civilizações revela que o poder não está condicionado à honestidade daqueles que o exercem, pois, na maioria das situações, o jogo do poder requer, sobretudo, habilidade.

A propósito, advertiu o diplomata renascentista, Nicolau Maquiavel: “O homem que tenta ser bom o tempo todo está fadado à ruína entre os inúmeros outros que não são bons”.

O poder é um jogo. E como um jogo social, quem pretende ser detentor de prestígio ou autoridade, deve desenvolver a sua capacidade de estudar e compreender as pessoas que o cercam.

A recente eleição do ditador Kim Jong-un, na Coreia do Norte, obtida com 100% dos votos e sem nenhuma abstenção, concorre para o reconhecimento de que o poder, em muitos casos, é essencialmente amoral, sendo irrelevante para quem o detenha distinguir o bem do mal.

O importante é saber julgar com estratégia, buscando os resultados e não os meios que possam levar a um resultado útil, ainda que moralmente condenável.

Segundo o noticiário internacional, o resultado do pleito na Coreia do Norte era conhecido antes mesmo de sua instauração. O eleitor que quisesse votar no “não” deveria se dirigir a uma cabine especial, ainda que assumindo o risco pela sua opção.

Embora a lei coreana estabelecesse que o voto era facultativo, ninguém deixou de comparecer aos postos de votação para consagrar um só candidato.

Na Coreia do Norte as eleições acontecem a cada cinco anos. A Assembleia somente se reúne duas vezes por ano, para chancelar as decisões de interesse do único partido existente. O sistema eleitoral equivale a um recenseamento. O Estado designa funcionários para a visita a todas as residências, com o propósito de constatar se o número de habitantes é o mesmo dos eleitores existentes.

Como deputado, o presidente Kim Jong-un tem assento na Assembleia Suprema do Povo, sendo, ainda, o comandante supremo das Forças Armadas e presidente da Comissão Nacional de Defesa.

A Coreia do Norte compreende 687 circunscrições, concorrendo um candidato para cada uma delas. Na última eleição, todos os foram apoiados por Kim Jong-un se elegeram, não havendo sequer uma abstinência.

O estranho fenômeno político serve para demonstrar que não é a eleição, por si só, que caracteriza a democracia, rotulada como um exemplo de soberania popular. Mais importante do que o sistema adotado no sufrágio dos candidatos é o respeito à vontade do povo. Esta não se confunde com a submissão aos governantes, ainda que a subserviência aparente um livre acatamento às suas ordens.

O método de “escolha” implantado na Coreia do Norte vem servindo de modelo a outros países identificados pela mesma ideologia. Estes, sujeitando a população ao seu autoritarismo, jamais admitiram que houvessem abominado a “democracia”, embora instituída à custa de sangue e sacrifício de sua gente.

É, pois, compreensível a admiração que países como Cuba, Irã, China, Rússia – e agora Venezuela – têm pela Coreia do Norte, inclusive pelo processo de escolha de seus mandatários.

(*) Advogado e conselheiro nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Aps publicao no Porta-Voz, obras da revitalizao do Calado devem sair do papel neste ms. A previso que sejam concludas em seis meses. Na sua opinio, a revitalizao fica pronta para impulsionar as compras de Natal?




JM FORUM
A partir desta tera-feira, dia 15 de maio, pr-candidatos de todo o pas podero iniciar suas campanhas de financiamento coletivo online, a vaquinha virtual. Voc acredita que a arrecadao ser suficiente para as campanhas?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018