Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Dom Paulo Mendes Peixoto - 01/02/2014

Lei de responsabilidade

Compartilhar:

Quando se fala hoje de administração pública, surge a chamada “Lei de responsabilidade fiscal”. É uma expressão que prece assustar à primeira vista, porque quando ela não é observada, as consequências para o administrador podem ser desastrosas. Mesmo assim, muitos não se dão conta da gravidade e penalidades que pode causar.

Na história da humanidade, por causa dos limites humanos, a lei foi sempre uma necessidade. Em muitos casos, ela já vem gravada na mente e no coração das pessoas. Sua finalidade primeira é a ordem natural, mas também para ajudar nos relacionamentos, evitando desrespeito, agressões e injustiça de uns para com os outros.

Nos inícios do Antigo Testamento, quando o povo não conseguia mais ler os princípios divinos no coração, Deus deu, por escrito, os Dez Mandamentos. Eles passaram a ser referência e diretivas para a convivência. O que ali encontramos continua sendo indicativo para uma verdadeira ordem social e harmonia entre as pessoas.

É interessante observar que, onde há ser humano, há necessidade de leis. Somos incapazes de conviver sem ferir os direitos alheios. Jesus condenou a radicalidade dos fariseus, porque colocavam as leis acima do bem comum das pessoas. O importante, que não era observado, era a lei do amor a Deus e ao próximo. Cumprindo a lei, conseguimos o bem comum.

A lei não é para reprimir e tirar a liberdade de ninguém. Quando observada de forma legal, mesmo sofrendo o peso de sua exigência, causa sensação de libertação. Avançar um sinal vermelho no trânsito pode não acontecer dano para ninguém, mas é sinal de irresponsabilidade, que pode também ter como consequência a culpabilidade, e tendo que pagar por isto.

Acima da lei está o senso de solidariedade. Podemos construir uma sociedade sadia, sem práticas desumanas e violentas da forma como estamos assistindo a todo instante. Parece até que vivemos um clima de terror em meio a fatos de violência praticados por pessoas incapazes de convivência sadia. A causa de tudo não está em nós mesmos, nos desequilíbrios econômicos, na impunidade?

(*) Arcebispo de Uberaba




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018