Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 25/09/2013

Soluo conciliatria

Compartilhar:

A crise de desemprego em nosso país, mesmo não tendo assumido proporções drásticas como na Grécia, Espanha, Portugal e outras nações europeias, já se tornou preocupante e agravada pelo fantasma da inflação. 

O esforço do governo federal em descaracterizar esta tormenta, não consegue evitar as consequências da política econômica desordenada, sem que se possa prever o seu desfecho. 

O reflexo dessa política vacilante está no número crescente de ações que abarrotam os tribunais, fruto da inadimplência em aquisições imobiliárias. Assim, o que sucedeu nos Estados Unidos em 2008, reaparece na atualidade brasileira. 

O Superior Tribunal de Justiça emitiu decisão que veio tranquilizar, em parte, aqueles que não conseguem solver, em dia, financiamentos adquiridos na compra de imóveis. A Corte entendeu que aquele que adquire apartamento diretamente de uma construtora e não consegue honrar o contrato com ela celebrado, pode pleitear o desfazimento do negócio se comprovar a sua incapacidade econômica superveniente. 

Assim, a empresa não poderá reter as parcelas já recebidas, mesmo alegando a possibilidade de reconhecimento do seu direito em juízo. Quando isto ocorrer, cumpre à vendedora proceder a restituição do que lhe fora pago, acrescido de juros e correção monetária, em lugar de sustentar a sua pretensão na Justiça.   

A única ressalva feita pelo STJ foi no sentido de que a incorporadora poderá reter de 15% a 20% do que lhe fora pago, para atender as despesas que tivera com o contrato desfeito. 

Esta orientação jurisprudencial importa no reconhecimento do Tribunal Superior de que já estamos vivendo uma fase em que não mais prevalece o que fora pactuado. Assim, a máxima pacta sunt servanda não subsiste mais com o alcance que tinha no passado. 

Se a obrigação não foi cumprida, se não foi comprovada a desídia ou má-fé do comprador, se houve uma alteração substancial na economia do país, se os salários ficaram corroídos, descabe a rescisão do contrato fundada na inadimplência do devedor. 

Diante deste quadro, não poderá o vendedor resistir à pretensão do comprador em receber de volta o que lhe pagara. Quando muito, deverá satisfazer-se com o percentual modesto que lhe será abonado, para compensá-lo dos gastos efetuados na realização do negócio.  
 

(*) Advogado e Conselheiro Nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018