Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 04/04/2013

O ousado pedido de Cristina Kirchner

Compartilhar:

Havia a impressão de que a recente visita de Cristina Kirchner ao Papa Francisco visava, em princípio, a melhorar o relacionamento do ex-arcebispo de Buenos Aires com a Presidente argentina.

Anunciada a sua ida a Roma, nenhum dos vaticanistas chegou a admitir que a finalidade do encontro fosse outra, a não ser a justificada manifestação de regozijo pela investidura de um portenho nas elevadas funções que ia exercer.

Mas não foi o que ocorreu. Após a entrevista, na véspera da Missa Solene, que marcaria o início do novo pontificado, Cristina arvorou-se em diplomata na crise das Malvinas e, astuciosamente, encareceu a mediação do Santo Padre “para iniciar um diálogo entre as duas partes”.

É evidente que esta iniciativa tinha por escopo, também, desmoralizar o resultado acaçapante que a Argentina conheceu no plebiscito realizado nas Malvinas, quando os seus habitantes optaram, em expressiva maioria, em permanecer sob o domínio britânico.

Ao comentar a visita feita ao Papa, aduziu que, agora, mais do que antes, tornou-se passível o acordo, pois a Argentina “é um país mais do que pacífico”, vivendo como o Reino Unido num regime democrático.

Assim como João Paulo II atuara como mediador no conflito entre Chile e Argentina, na disputa ao estreito de Beagle, o Papa recentemente investido, também, poderia atuar agora na pacificação entre a Argentina e Grã-Bretanha, como ocorrera no passado.

A sua justificativa não convence. É o caso de indagar: se o atual Pontífice não fosse argentino, mas oriundo de qualquer outro país, o Papa continuaria sendo a pessoa indicada para evitar a refrega, como sucedera a João Paulo II? Qual o motivo que teria impedido o governo argentino de tentar a mesma solução junto a Bento XVI?

Em 22 de dezembro de 1978, foi a Argentina que promoveu a invasão do Chile, em bombardeio, marcado para as 22 horas daquele dia, sendo declarada internacionalmente país agressor.

Isto convinha ao ditador Jorge Rafael Videla, que visava a combater as denúncias de violação de direitos humanos, praticadas sob o seu comando.

A realização da Copa do Mundo com a suspeita vitória da Seleção Argentina serviu de impulso ao fortalecimento nacionalista, sustentado por Videla. Assim, para o governo militar faltava apenas o inimigo externo como fator da união nacional.

O Chile tornou-se, assim, “a bola da vez”, já havendo anteriormente tido o seu direito reconhecido em outra arbitragem cumprida pela rainha Elizabeth II, em 1977, que considerou como chilena a posse das três ilhas em litígio.

A arbitragem cumprida pelo Papa João Paulo II (que a presidente Kirchner adotou como exemplo) deu-se apenas três horas antes do horário previsto para o início do ataque argentino.

Fica a certeza de que o espírito belicoso dos argentinos ainda subsiste em relação ao Chile, inobstante o Tratado de Paz e Amizade, celebrado em 1984.

Compreende-se, pois, a razão pela qual o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, não difundiu nenhum comunicado sobre a inoportuna e ousada proposta da mandatária argentina. Limitou-se, apenas, a afirmar que o diálogo fora “muito formal”, consistindo na troca de uma rosa branca – de parte do Papa – por uma cuia de chimarrão e um ponche “para sua Santidade se proteger do frio”...

 

(*) Advogado e Conselheiro Nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog:
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018