JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 14 de agosto de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Abaixo a autodepreciação!

A cada dia que passa, mais me convenço

Por Eliana Barbosa. Última atualização: 23/11/2012 - 20:25:15.

A cada dia que passa, mais me convenço de que o autoconhecimento é fundamental a todos os seres humanos, principalmente no combate à autodepreciação. Conhecer-se por dentro, saber a respeito de suas próprias emoções, virtudes e fraquezas, identificar suas afinidades e antipatias e saber o porquê desses sentimentos é tão importante quanto o alimento que nutre seu corpo.

Há um grande número de pessoas, especialmente mulheres, que vive um exercício constante de autodepreciação, enfatizando seus próprios defeitos e dificuldades e vendo a vida com olhos de pessimismo e desesperança. São pessoas que cresceram com a autoestima deficiente, cujos pais e professores, ignorantes, viam suas qualidades como simples obrigação e seus erros, como falhas imperdoáveis. Hoje, essas pessoas se consideram incapazes de atos construtivos e, quando conseguem melhorar suas próprias vidas, não se julgam merecedoras e temem que algo trágico lhes aconteça, “quebrando o encanto”.

Muitas mulheres maduras, por exemplo, fogem do espelho porque acreditam mais nas propagandas que enaltecem a juventude e a magreza do que na própria beleza e encanto advindos da maturidade. É muito difícil convencer uma pessoa autodepreciativa de seus valores individuais e talentos. Ela prefere viver comparando-se com os outros, quando o ideal seria comparar-se consigo mesma, apreciando as mudanças e as melhoras ocorridas com o passar dos anos. Mudar seus pontos de vista a respeito de si mesmo não é tarefa das mais fáceis, porém, não é impossível.

Atualmente, terapias utilizando a Programação Neolinguística (PNL) têm revelado resultados fantásticos; por meio delas, pessoas com problemas de autoestima podem fazer uma reprogramação cerebral, descobrindo por si mesmas os tesouros internos que possuem e os seus próprios recursos emocionais para desenvolver em si aquele desejável sentimento de competência. Elas aprendem que viver bem é encarar os obstáculos da vida como simples etapas para a execução de um plano maior.

Assim, seja muito cuidadoso com seus autojulgamentos e aprenda a enfraquecer suas ideias autodepreciativas com a utilização da gratidão por tudo o que tem na vida e exercitando a autoconfiança e a autovalorização.

Como sabiamente diz a escritora Sarah Ban Breathnach, “não há nada que cause mais amargura do que a autodepreciação. Um sentimento que nos impede de ser felizes, independente do que tenhamos conseguido ou acumulado, ou dos braços em que dormimos.”

E você, o que tem feito nos últimos tempos para fortalecer sua autoestima? Quer aprender mais sobre esse tema? Pois então assista à estreia do Programa ACORDANDO PARA A VIDA, na Rádio JM (730 AM ou pelo site www.radiojm730.com.br), neste sábado, às 12h30, onde eu e Fernando Vieira Filho, meu marido e também psicoterapeuta e escritor, vamos falar sobre esse tema. Participe, você também!

 

(*) Palestrante, apresentadora de TV e rádio e autora de livros motivacionais
www.elianabarbosa.com.br
eliana@elianabarbosa.com.br

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia