Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 14/09/2012

O malabarismo tributrio de Franois Hollande

Compartilhar:

Há quem já considere que os cem dias de governo de François Hollande sejam menos interessantes que os outros cem dias que o antecederam.

A expectativa que cercou a investidura do novo presidente da França tende a diminuir, apesar das medidas populistas que adotou, visando cair no gosto da população, contrapondo-se ao seu antecessor, Sarkozy, tido como onipresente e hiperativo.

Hollande decretou a redução de 30% do próprio salário e de todos os ministros, sendo que o seu (14.910 euros) é inferior aos 17.016 euros recebidos pela chanceler Ângela Merkel, que está à frente da Alemanha, a maior economia da Europa.

Ocorre que, ao assumir o governo, o país contava com quinze ministérios, ao passo que na atual administração socialista são trinta e quatro. Os ministros que ganhavam 14.200 euros passaram a perceber 9.940 euros por mês.

Assim, não houve, pois, qualquer economia, mas apenas uma “jogada” capaz de impressionar o eleitorado, que paga os impostos mais elevados da Europa e que fez de Hollande um presumível salvador da maior crise financeira conhecida desde a Segunda Guerra Mundial.

A França conta hoje com sete milhões de funcionários públicos, o que significa que um em cada cinco franceses é remunerado pelo Estado.

No orçamento de 2012, Hollande incluiu aumento de 7,2 bilhões de euros em impostos e taxação de 75% sobre rendas anuais superiores a um milhão de euros, a partir de 2013.

Através dessas medidas, pretende transformar a França, cuja dívida pública é de quase 90% de seu PIB, no país europeu que mais tributa os seus cidadãos. O seu objetivo consistiria em reduzir o déficit orçamentário a 3% em 2013, o que conflita com a promessa eleitoral de combater a política de austeridade sustentada por Ângela Merkel para todos os países da União Europeia.

Na sequência das medidas anunciadas estaria a redução da idade de aposentadoria para 60 anos, contrariamente ao que ocorre na maioria dos países do mundo, em que este limite está sendo elevado.

Segundo noticiou a revista “Le Nouvel Observateur” (12/7/2012), mais de mil pessoas que ganham acima de um milhão de euros por ano deixaram a França até o fim de 2012, em razão da tributação onerosa recentemente instituída.

O mesmo acontecerá com outras celebridades (cantores, artistas, autores, esportistas famosos etc.) que se valem de subterfúgios para fugir da nova taxação, fixando residência em outras nações, já decepcionados com o que vem sendo feito pelo atual mandatário supremo de seu país.

 

(*) Advogado e Conselheiro Nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog:
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018