Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Dom Paulo Mendes Peixoto - 04/08/2012

Dar de comer

Compartilhar:

“A política é uma das mais altas expressões da caridade”. É uma realidade que deve ser levada em conta no momento eleitoral. Falamos de caridade, de “dar de comer a quem tem fome”, mas nem sempre pensamos que isto é uma atitude política, no sentido de que “política é a arte de se fazer o bem”. É a realização do bem comum na comunidade onde atuamos como pessoas humanas.

Os nossos governos têm a obrigação fundamental de fazer uma política limpa, marcada pela ética e com muita transparência. Do contrário, não podem contar com a confiança dos eleitores. E também não vão dar de comer a quem tem fome, isto é, não serão capazes de trabalhar para diminuir a distância existente entre as classes sociais e econômicas, situação gritante em nosso país.

A vida cristã é marcada por valores diferentes daqueles que orientam a sociedade secular. O suporte deve ser o amor ao próximo, o fato de um poder contar com o outro, mesmo tendo ideias diferentes. Formamos uma comunhão e o egoísmo rouba de nós esta dignidade, impedindo a prática efetiva de gestos concretos de unidade e fraternidade.

O alimento é tão importante para a vida, que até encontramos uma frase bíblica que diz: “era melhor ser escravo no Egito e ter o que comer do que ser livre e passar fome” (cf Ex 14, 12). Liberdade e fome são contraditórias e ambas são exigências para uma vida digna. Por isto, é indispensável deixar de lado hábitos de natureza puramente egoísta.

Não há partilha e alimento para todos se o ser humano não tirar do foco os próprios interesses. Deve identificar a própria vontade e agir com a de Deus. Corremos o perigo de uma política totalmente desconectada com o interesse da maioria, principalmente daqueles que passam fome, ficando à margem de uma cultura de vida digna.

Não só no mundo político, mas há pessoas que usam da religião como fonte de lucro e privilégios pessoais. Não estão preocupadas com o irmão, mas com o conforto e prosperidade pessoais. O gesto da partilha não é troca de favores, milagres e curas, mas identificação com Cristo, que dá a vida para todos terem vida.

 

(*) Arcebispo de Uberaba




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018