Publicidade
Rádio JM
Canais Facebook Twitter RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Savio Gonçalves dos Santos - 26/04/2012

De Episcopis

Compartilhar:

Caros amigos e amigas leitores, quero aqui pedir licença para vocês, pois, depois de estar afastado desta coluna por algumas semanas, hoje retorno com um tema especial. Escrevo em alusão à posse de D. Paulo Mendes Peixoto, novo arcebispo de Uberaba. Sem querer aqui tecer apologias à fé Católica, ou mesmo à Igreja de Uberaba, a intenção deste opúsculo é salientar, como acontecimento basilar de fundamental importância para a cidade, a posse de um líder político, social e popular.

Tratar do múnus pastoral de um bispo é processo rotineiro, destinado aos institutos de teologias e seus respectivos teólogos. Aqui, o destaque será o papel social e político do qual o epíscopo deve desenvolver. Não há espaço para omissão, mentiras, falso moralismo, venda de ideologias, ou mesmo a construção de uma fé que se apoia em tradicionalismos religiosos. O cargo é sim religioso, mas ação é mais do que religião.

A palavra bispo é uma tradução do grego que quer dizer: inspetor, protetor, hábil. E sua função pode ser regida pelo Código de Direito Canônico, em seu cân. 378, 1º “[...] se destaque pela fé sólida, bons costumes, piedade, zelo pelas almas, sabedoria, prudência e virtudes humanas, e seja também dotado de outras qualidades que o tornem capacitado para o desempenho do ofício em questão”. O que se percebe é que a pessoa do bispo não se dissocia de seu ser social. Em outras palavras, as ações em sociedade são, e devem ser, reflexos de seu ser interior, sua moral e sua consciência.

O que a sociedade uberabense espera de seu novo bispo, com absoluta certeza, é uma ação comprometida com a causa social, onde as pompas deem lugar à santidade, sendo ele exemplo de caridade, humildade e simplicidade de vida, como o mesmo CDC, sem a necessidade de aqui mencionar as demais qualidades que se espera de uma pessoa que ocupa tamanha responsabilidade. Que a fraternidade seja a marca constante e, acima de tudo, o zelo pela pessoa humana, abrindo espaço para a misericórdia, quando necessária, mas, acima de tudo, para a justiça em suas ações.

Que Dom Paulo seja bem-vindo a esta terra, pátria de ilustres pessoas. Que ele seja sempre consciente de sua obrigação, amigo do povo, inspetor quando necessário, protetor de quem precisa e hábil trabalhador. Para terminar, parafraseando monsenhor Juvenal Arduini, padre, professor, filósofo e antropólogo, em um de seus últimos livros, fica a mensagem ao novo epíscopo: “Há religiões do impor. Expressões religiosas autoritárias, sectárias, fanáticas, puritanas, proselitistas, que desrespeitam a consciência das pessoas. Mas há também formas religiosas do expor. Há manifestação autêntica, profética, evangélica e comprometida com Deus. Em um Congresso Internacional de Filosofia, R. Panikkar, de origem indiana, testemunha: “Você pode seguir seu próprio caminho, sem precisar condenar o caminho do outro”.

Felicidades, seja bem-vindo, que seu trabalho dê frutos cem por um.

 

(*) Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU) e professor universitário
saviogsantos@gmail.com




Lateral superir Giovanna
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
r�dio

Banner blog mais bella
ENQUETE
Você é a favor do prefeito Paulo Piau pedir licença do cargo para abraçar a candidatura de Dilma Rousseff?




JM FORUM
Passados mais de 20 meses de mandato, qual a avaliação que você faz do trabalho dos vereadores de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2014
CMIDIA