JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 23 de outubro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

O desmedido fanatismo iraniano

O governo do Irã, com o passar do tempo, demonstra o elevado grau do fanatismo

- Por Aristóteles Atheniense Última atualização: 19/04/2012 - 20:37:05.

O governo do Irã, com o passar do tempo, demonstra o elevado grau do fanatismo religioso que medra em todos os setores, comprometendo a sua segurança.

Notícia recente, oriunda daquele país, revela a disposição ao acirramento das restrições aplicadas à sociedade, tendo como pretexto a prática de atos “imorais”, que poderiam afetar a linha ideológica instituída desde a queda do xá Reza Pahlevi.

O diretor-geral de Bem-Estar, da província de Teerã, Valiollah Nasr, promoveu a suspensão das aulas de canto e dança em jardim de infância, sob o pretexto de que o exercício dessas atividades afetaria os “valores islâmicos”, justificando a punição das escolas infratoras.

A medida, embora houvesse causado estranheza por parte dos dirigentes escolares deverá subsistir, tal o alcance do fetichismo implantado no Irã. Ali, qualquer manifestação que se identifique às práticas ocidentais é objeto de imediata proibição, ensejando a aplicação de penas que variam conforme o entendimento da autoridade que emitiu a vedação.

Mesmo aqueles que não se conformam com essas inusitadas providências, sentem-se constrangidos em revelar a sua identidade, sabedores de antemão que qualquer pronunciamento contrário ao governo local poderá ocasionar sanções imprevisíveis.

Pais e professores ouvidos a respeito da interdição decretada externaram o seu descontentamento, convencidos de que as autoridades iranianas não ofereceram qualquer explicação razoável. Só se preocupam em atemorizar a população, tornando-a servil e incapaz de emitir qualquer manifestação que possa ser interpretada como rebeldia ao regime de Mahmoud Ahmadinejad, iniciado em 2005.

Embora as crianças, com idade de 1 a 6 anos, frequentem estabelecimentos bilíngues que ensinam farsi e inglês, prevalece no país o preconceito de que o Irã deverá resistir às influências da cultura ocidental, reputada como permissiva e corrupta, capaz de abalar os princípios morais da nação.

Entre os riscos que pudessem afetar a sociedade iraniana, estariam as aulas de canto e dança pelo fato de serem ministradas nos países capitalistas.

 

(*) Advogado e conselheiro nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense

Leia mais