JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de agosto de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Falta dos filhos – como lidar

Quando as mães vivem em função de seus filhos, em um exagerado apego, e não se permitem viver outros papéis, estão se condenando a enfrentar um doloroso vazio...

- Por Eliana Barbosa Última atualização: 27/01/2012 - 16:10:46.

Quando as mães vivem em função de seus filhos, em um exagerado apego,  e não se permitem viver outros papéis, estão se condenando a enfrentar um doloroso vazio quando esses filhos crescem e buscam sua independência. A essa sensação de carência afetiva e de perda do sentido da vida que acontece quando os filhos “batem asas”, chamamos de “síndrome do ninho vazio.” 

A cantora Paula Toller – que compôs a música Barcelona 16,  falando dessa angústia mais comum entre as mães, afirmou:  “Foi como um segundo parto, dar à luz novamente para que ele pudesse seguir seus passos”.  

Embora não seja algo muito fácil de vivenciar, veja como é possível encarar essa etapa da vida com menos sofrimento:

Seja flexível diante das naturais mudanças da vida, preparando-se sempre para o novo.

Entenda que antes de serem seus filhos, eles são filhos de Deus!

Jamais responsabilize seus filhos por sua felicidade.

Cuidado com o sentimento de autopiedade, que pode levar você,   inconscientemente, a adoecer, só para chamar a atenção de seus filhos.

Aproveite o momento para voltar a namorar seu cônjuge – caso o tenha, ou para se abrir para um novo amor.

Adote um animal de estimação, que vai ocupar seu tempo ocioso e compensar a sua carência de afeto e atenção.

Busque sua realização pessoal naquelas atividades que desempenhava antes da chegada dos filhos – sua profissão, artesanato, cursos, exercícios físicos, etc.  –, ou mesmo naquilo que você sempre sonhou em fazer, mas não teve chance até agora.

Reaqueça antigas amizades, aproveitando a oportunidade para se distrair mais.

Faça trabalhos voluntários, que vão dar novo sentido à sua vida, despertando em você sentimentos de autovalorização e solidariedade.

E abençoe seus filhos na jornada que escolheram, para que eles se sintam livres da culpa pela sua solidão e evitem futuras mágoas.

Pense nisso com carinho!

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia