Publicidade
Rádio JM
Canais Facebook Twitter RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Savio Gonçalves dos Santos - 09/01/2012

Em defesa do amor verdadeiro

Compartilhar:

Em tempos de festas e festejos, época vindoura onde brotam bons frutos e emanam desejos de paz, harmonia, prosperidade e felicidade, peço licença àqueles que acompanham este organizador de palavras, por dois motivos: primeiramente, para escrever em primeira pessoa do singular e, em segundo, por abandonar (temporariamente em prol das festividades) os temas polêmicos e espinhosos, para abordar alguns pontos diferentes, porém filosóficos.

Quero, hoje, falar do amor.

Falar do amor parece simples sob a égide da experiência; entretanto, quando tratado etimologicamente, ou cientificamente, ele pode agregar certo grau de complexidade. Mas o objetivo aqui é quebrar os grilhões limitadores das ciências e encarar o amor como ele é. Não quero evocar as teorias psicológicas que tentam explicar o amor sob vários ângulos: eros, philia, ágape, ludus, storge etc.; mas sim, levantar algumas meditações acerca de um sentimento tão vivo e especial.

O humano é, naturalmente, um ser que ama. Há, evidentemente, uma distinção entre ter consciência do amor (razão) e a prática (instintos) do amar. O amor é prática real e necessária para a sobrevivência humana; ele é parte essencial da formação do ser do humano (formação moral, ética e humana). É o amor que ultrapassa barreiras e supera dificuldades; é ele que transforma o tempo, modifica a razão, obnubila a visão; é ele que acomete o sistema nervoso de tremores, que causa desconforto nas pernas, que faz chorar... O amor é a possibilidade de vida verdadeira.

Hoje em dia, as pessoas têm afirmado que o amor já não existe, ou mesmo que, se existe, está num nível de abstração tal, que não é qualquer um que pode senti-lo, ou alcançá-lo. Há amores diferentes; há o amor de namorados, de irmãos, de avós, de amigos, mas há um em especial que não se enquadra, e nem se equipara, aos que já citei: o amor de mãe.

O amor de mãe é o único dos “amores” que possui diferencial; é um amor eterno, que não se prende em dificuldades, que supera barreiras, que defende, que chora, que ri; um amor que modifica as pessoas, que transforma vidas, que significa a existência. Amor de ontem, de hoje e de amanhã! Um amor que não se altera. A mãe é a única representante de um sentimento exclusivo; por mais que o pai queira, que a avó, que a tia, o amor nunca será igual! O amor de mãe é verdadeiro! É puro, especial! É amor eterno, que aquece e guarda; que protege e explica; é racional, é irracional, é moral, é amoral, é intenso, é forte, é superação constante... O amor de mãe é aquele que se confia sem duvidar; por mais que os filhos já não amem a mãe da mesma maneira, o amor de mãe permanece, perdura, sustenta, sofre, agoniza, mas não se desfaz! É sempre O amor.

Em tempos onde a vida toma rumos incertos, onde as ciências e as religiões não possuem créditos suficientes para indicar caminhos, para guiar a humanidade, o amor verdadeiro deve ser defendido como meio para a mudança. A esperança não está na economia, na política, nos governos, mas sim, no amor de mãe; esse amor que indica mais que o caminho, mas que gera e sustenta a vida desde que a humanidade é humanidade!

 

(*) Mestre em Filosofia, membro da comissão de avaliadores do MEC e professor universitário
saviogsantos@gmail.com




Banner Giovanna Prata lateral superior
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

Banner blog mais bella
ENQUETE
Passados os primeiros dias das mudanças do trânsito no centro da cidade, você acha que daqui para frente as coisas vão melhorar?




JM FORUM
Você tem alguma sugestão para o pessoal da Settrans em relação ás modificações do trânsito que foram feitas nesta semana?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2014