Publicidade
Rádio JM
Canais Facebook Twitter RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Savio Gonçalves dos Santos - 31/12/2011

Política autêntica

Compartilhar:

A filosofia existencialista de Martin Heidegger (mesmo não se considerando um existencialista), calcada na busca pelo ser-aí (dasein), pode apontar boas reflexões acerca da política. Mesmo que para alguns, a dinâmica instaurada pelo pensador alemão se remonte à busca essencial pelo ser do humano e, com isso, o fator fenomenológico (estudo dos fenômenos da consciência em si mesmos) acaba sobrelevado em detrimento de outras dimensões, pautar a reflexão acerca da política pelo viés fenomenológico, levanta possibilidade de mudança. Para exemplificar a fenomenologia, pode-se dizer que ela representa a capacidade do humano em encontrar as respostas para as suas dúvidas em si mesmo, numa espécie de introspecção.

Entretanto, ao se perguntar para boa parte da população qual o conceito de política, se verá uma gama de respostas que convergem para o mesmo sentido: corrupção! O senso comum ainda não consegue se livrar das garras de políticos ignorantes (no sentido de gnose, ou outros sentidos...) que tratam política como o meio para o alcance de benefícios pessoais, ou familiares. A política em si, oriunda da determinação comportamental da sociedade grega, significa muito mais que simplesmente (apesar de não tão simples) corrupção; política é a prática social do bem comum. É colocar-se a serviço em favor do coletivo social, onde a vontade geral deve ser considerada anterior à vontade pessoal.

Mas voltando ao existencialismo, a política tratada de maneira fenomenológica aponta dois caminhos para a prática: a inautenticidade e a autenticidade. Primeiramente, a política inautêntica é esta que vemos cotidianamente; é a política da inversão do estado em particular; do pessoal ao invés do coletivo; do bem particular em detrimento do social; é a política das compensações, das mentiras e do pão... É a política do ontem, da imposição, da democracia camuflada, da subversão legal pela sobrevivência. A forma criada pelos políticos inautênticos é a mais comum e a mais “benéfica”! É ela que possibilita a formação de bandos, de corjas e de medíocres; que ajuda a criar uma “plantação” de laranjas; que deturpa os valores e princípios em prol de algo ainda maior (?). O pior é observar como, a cada dia, mais e mais pessoas se tornam políticos inautênticos. A inautenticidade é o espaço da desilusão, irracionalidade, da imoralidade; é o espaço da frieza, do egoísmo e da sobrevivência... É ela que faz com que todos os brasileiros se sintam mais frustrados com o futuro do país.

É chegada a hora de renovar. A racionalidade não mais aceita a imposição de um sistema que camufla a verdade, que distorce a realidade. A política precisa de políticos autênticos, que se preocupem com o social, com a realidade local e com o povo; uma política que deixe de somente pensar e agir atrás de votos, e de mandatos, e passe a praticar sua função. Os governos precisam deixar de lado a mesquinhez dos projetos e planos de governo (que na prática nada mais são do que planos partidários para a reeleição), e passar a criar planos de estado, planos sociais a médio e longo prazo. Política autêntica é aquela que se destaca em meio à podridão em que se vive; é o zelar pela vida, se preocupar com o bem estar do povo; é governar pelo, para e com o povo; é entender que o dinheiro arrecadado com impostos, impostos, impostos e taxas, não são para a reforma das casas, troca de carros, pagamentos de assessores fantasmas, mas sim para a garantia dos direitos fundamentais de todos os humanos.

 

(*) Mestre em Filosofia, membro da comissão de avaliadores do MEC e professor universitário
saviogsantos@gmail.com




Lateral superir Giovanna
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
JM Magazine 46

Banner blog mais bella
ENQUETE
Aciu e Prefeitura defendem a reurbanização da rua Artur Machado, padronizando a fachada das lojas e estendendo o calçadão até a Av. Presidente Vargas. Você aprova essa medida?




JM FORUM
Você é a favor da implantação da mão única na Av. Fidélis Reis, porque?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2014
CMIDIA