Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Pe. Roberto Francisco de Oliveira - 25/08/2011

A dimenso religiosa opcional?

Compartilhar:

Cultivar a dimensão religiosa é algo opcional ao ser humano? Esta é uma pergunta que intriga a muitos. E são muitos os que respondem positivamente. Enganam-se? Acham-se corretos? A busca religiosa é um elemento facultativo à humanidade? Trata-se de um complemento, de um acessório ou é elemento constitutivo e essencial do ser humano?

Dentro do linguajar teológico, Karl Rahner procurou esclarecer essa verdade. Usou uma expressão interessante: existencial-sobrenatural. O termo indica que a sobrenaturalidade integra a existência humana. Melhor explicando, quer dizer que toda existência humana é dotada de uma abertura ao transcendental. E não poderia ser de outra forma. O homem não se explica em si mesmo. O homem não constitui autor de si próprio. Foi feito por Deus. Explica-se em Deus. Assim, a abertura ao divino, a procura pelo divino, não pode ser encarada como um dado facultativo. Tendo sido criada por Deus, a criatura só resolve o ciclo de sua existência no Criador.

Há, pois, um intrínseco ligame entre Criador e criatura. A natureza humana se liga ao sobrenatural e se entende a partir dele. Isso torna funesta uma vida que prescinde do divino. O senso de total autonomia frente ao Ser transcendental acarreta um profundo desequilíbrio existencial. O homem não pode, então, ver-se como uma mônada autossuficiente, pronta e acabada. Ao contrário, é ser em abertura. Abertura ao transcendental. 

O homem na sua condição criatural continua dependente de seu Criador, de modo que a procura por uma evolução da espiritualidade constitui uma exigência irrenunciável e essencial para a própria realização do humano. O homem somente se realiza enquanto homem quando desenvolve a sua dimensão religiosa. Cheio de Deus, o homem se torna mais homem. Torna-se verdadeiro homem.

Consequentemente, a humanidade alheia a Deus não é humanidade. Quando muito pode ser considerada uma humanidade pela metade, deformada. A ausência do divino converte pessoas em espectros, em zumbis capazes de negar o ser. A falta de Deus faz aparecer a morte, o roubo, a mentira, a violência em toda sua plenitude. O dinheiro transmuta-se em ídolo e a ambição em mola propulsora do agir. Cai por terra o sentido da vida, os ideais elevados, o despojamento materialista. Já a filosofia existencialista heideggeriana afirmava a nadificação do ser quando da privação do sentido sobrenatural.

Diante disso, seguiremos aquelas vozes que apregoam a vida no Espírito como opcional? Porventura a procura por Deus pode ser empreendida e pode não ser empreendida sem implicações maiores?  Está na nossa constituição humana a real possibilidade que aderir ou refutar a marca do divino? São estes sérios questionamentos que devemos levantar para nós mesmos. Oxalá, concluamos com os grandes Santos da nossa Igreja, que guardavam a certeza de somente encontrarem em Deus a explicação de suas vidas.  

 

(*) Mestre em Teologia pela Pontifícia Universidade Gregoriana (Roma); chanceler do arcebispado da Arquidiocese de Uberaba




EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Petrobras divulgou recentemente novos aumentos para o gs e tambm para os combustveis. Porm, o que se viu na prtica foram aumentos muito superiores s alquotas divulgadas pela estatal, deixando o consumidor preocupado. Na sua opinio, quem deve fiscalizar esses aumentos?








JM FORUM
Vereadores encaminharam ofcio ao governo estadual requerendo a instalao de mais cmeras do Olho Vivo nas imediaes da praa Frei Eugnio, no centro, e na avenida Ablio Borges de Arajo, na Abadia. Voc acredita que esses so pontos onde, de fato, h necessidade de instalao de monitoramento?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017