Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 23/06/2011

Mulheres no volante

Compartilhar:

No mês passado, a saudita Manal Al-Sharif, 32, foi detida por haver encetado uma campanha através do You Tube, para que as mulheres obtivessem autorização para dirigir em seu país.

O movimento ganhou repercussão internacional, sendo criada uma associação “Women for driving”, destinada a forçar o governo a admitir que as mulheres doravante possam dirigir veículos, sem que estejam acompanhadas de um homem.

Devido à sua temerária campanha, Manal Al-Sharif foi detida não só por dirigir, como por postar vídeos em prol do movimento.

Quanto às restrições que as suas companheiras vêm sofrendo, por parte das autoridades locais, recorreram à colaboração da Secretária de Estado dos EUA, Hillary Clinton, encarecendo a sua adesão.

O pedido foi anunciado pela porta-voz do Departamento de Estado, Victoria Nuland, inclusive ressaltando a inquietação que reina na Arábia Saudita, acrescida da indagação formulada à Hillary: “Onde você está quando mais precisamos?”.

No seu entendimento, “há momentos em que faz sentido defender direitos universais das mulheres publicamente e há momentos para a diplomacia silenciosa”.

Segundo o noticiário, Hillary estaria propensa a desenvolver esta diplomacia discreta em favor das mulheres que pleiteiam o direito de dirigir.

Como a Arábia Saudita é o mais importante aliado dos EUA naquela área conflituosa, é de se esperar que a Secretária de Estado já tenha manifestado ao ministro saudita de Relações Exteriores, Saud Al-Faisal, a simpatia ou mesmo o interesse do governo Obama pelo atendimento dessa aspiração.

Na fase pré-eleitoral que os EUA estão vivendo, qualquer medida que importe em flexibilizar a rigidez mulçumana que medra nos países asiáticos, constituirá um fator positivo nas campanhas já iniciadas, tendo em conta a presença significativa de imigrantes árabes na América do Norte.

Assim, uma reclamação aparentemente irrelevante pode render dividendos políticos, sem se falar, naturalmente, no reflexo favorável que a obtenção desse direito terá, mormente numa região onde a presença dos EUA não é vista com bons olhos.

Como sustentou, a seu tempo, a ativista Simone de Beauvoir, “foi pelo trabalho que a mulher transpôs, em grande parte, a distância que a separava do macho; é só o trabalho que poderá garantir-lhe uma liberdade concreta”.

 

(*) advogado e conselheiro Nato da OAB
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog:
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018