Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Eliana Barbosa - 22/04/2011

Culpa por ms palavras

Compartilhar:

Um dos sentimentos que mais paralisam a vida das pessoas é a culpa. Façamos, hoje, uma reflexão acerca da culpa por más palavras.

Nos relacionamentos humanos, as palavras têm um poder muito grande: ou elas constroem ou elas destroem. Constroem quando servem para melhorar a autoestima e a autoconfiança própria e dos outros. E destroem quando magoam, quando criticam com maldade, quando ferem os mais profundos sentimentos. E como a “lei do plantar e colher” é infalível, quando proferimos más palavras, consciente ou inconscientemente, desenvolvemos, dentro de nós, devido à culpa, um mecanismo de autopunição, que, mais cedo ou mais tarde, é ativado e nos leva às frustrações, ao arrependimento e às doenças. 

Sabendo disso, cuidado: na vida familiar, onde você acha que é livre para falar o que quiser, modere as suas palavras e seja mais carinhoso com aqueles que fazem parte da sua história pessoal; na vida profissional, procure tratar a todos com respeito e muita educação, de forma que a sua consciência esteja sempre leve, por saber que você tratou os outros da mesma forma como gosta de ser tratado.

Transcrevo aqui um conto retirado de O Livro das Virtudes II, de Willian J. Bennett, que nos mostra quão pungente é a dor do arrependimento: “Um homem estava sentado ao lado do caixão de sua companheira, triste e amargurado. De repente viu passar à sua frente um desfile de formas belas e brilhantes, leves, de lábios rosados e olhos claros de alegria. ‘Quem são vocês, belas criaturas?’ – perguntou ele. E elas responderam: ‘Somos as palavras que você poderia ter dito a ela.’ ‘Ah! Fiquem comigo!’ - implorou o homem. ‘Suas belas formas são como um punhal me cortando o coração, mas, mesmo assim, fiquem comigo, pois ela está fria e muda e estou sozinho.’ Elas responderam: ‘Não, não podemos ficar porque não temos existência. Somos apenas a luz que jamais brilhou.’ E foram embora. O homem continuou triste e amargurado. De repente viu se erguer entre ele e o caixão um bando de formas terríveis, pálidas, de lábios brancos e olhos de fogo. O homem estremeceu. ‘Quem são vocês, formas horrendas?’ – perguntou ele. E elas responderam: ‘Somos as palavras que ela ouviu de você.’ O homem gritou aterrorizado: ‘Saiam daqui, me deixem só! Melhor a solidão do que a sua companhia!’ Mas elas se sentaram em silêncio, fixaram os olhos no homem e permaneceram com ele para sempre”.

E guarde bem: “para sempre”, no final deste conto, é um modo de dizer do autor, porque sabemos que a culpa pode e deve ser erradicada de nossas vidas, através do arrependimento seguido pela decisão da mudança de conduta.

Enquanto é tempo, trate com verdadeiro afeto os que lhe cercam, conquistando para os seus dias a tranquilidade na consciência e, com isso,  mais alegria de viver!

 

(*) palestrante; apresentadora de TV e rádio e  autora de livros motivacionais
 
www.elianabarbosa.com.br




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018