Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 28/03/2011

Entre Dima e Lula

Compartilhar:

A pesquisa realizada pela Datafolha, registrando a aprovação da presidente Dilma Rousseff em três meses de mandato por 47% dos brasileiros, talvez não seja aplaudida pelos coadjuvantes de seu antecessor. A vaidade excessiva deixa à mostra o pouco conhecimento de quem se aproveita dela, concorrendo para a perda do senso autocrítico. Em consequência, o vaidoso acaba se convertendo em joguete dos aduladores.
O ex-presidente Lula, no início de seu mandato, obteve uma aprovação de 43%, vindo mais tarde a suplantar este número, atingindo, em março de 2007, a significativa performance de 48%.
Segundo a Datafolha, que se dedica a pesquisas desde 1990, Dilma superou em popularidade todos os antecessores de Lula. Não faltará quem afirme que o êxito até agora obtido por Dilma deve-se ao apoio que ela recebeu de Lula tanto no lançamento de seu nome, como no curso da campanha eleitoral.
Sucede que Dilma, sempre considerada uma mulher enérgica e voluntariosa, tem dado demonstrações de transigência até mesmo com os seus opositores. O mesmo não ocorreu com Lula, que passou os seus dois mandatos dizendo-se atingido pela “herança maldita” que Fernando Henrique lhe deixou. Foram raras as vezes em que, discursando para as classes menos favorecidas, não atribuísse ao seu predecessor a causa principal de tudo que houvesse de ruim em nosso país.
Segundo o seu amigo Frei Betto, “o poder não muda as pessoas, mas faz com que manifestem a sua verdadeira face”. Daí poder-se afirmar que a virtude do exercício do poder está em não se deixar embriagar por ele.
Embora seja pressuroso emitir um juízo abalizado sobre o governo federal, que teve início em janeiro, o fato de estar sendo exercido por uma mulher merece algumas reflexões. A atual presidente tem enfatizado o seu interesse em priorizar a educação. O mesmo não aconteceu de parte de Lula, que, ao referir-se à sua primitiva condição de operário, dava sempre a entender que qualquer outro poderia chegar à Presidência da República, mesmo sem graduar-se num curso superior.
A visita do presidente Barack Obama ao Brasil não deixou de ser uma vitória da diplomacia atual, ao contrário do que ocorria no passado, com as manifestações de apreço a Ahmadinejad, Chaves, Castro e até Kadafi, o que não deverá continuar a ocorrer no novo Itamaraty, como tudo faz crer.
A importância que Dilma devota à instrução tem refletido principalmente no Nordeste, onde a sua taxa de aprovação é expressiva, sem que seja obrigada a recorrer, sistematicamente, ao combate à fome, fazendo dessa carência a razão de ser de sua administração. O índice que Dilma confere à Saúde (31), em comparação ao que Lula lhe atribuía (6) é um motivo a mais para se compreender o bom resultado até agora conseguido e que tende a melhorar.
Para isto, não é necessário o louvor permanente à sua imagem e nem o desprezo aos governos que a antecederam, conforme acontecia na gestão que a precedeu.




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018