Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Digenes Pereira da Silva - 24/11/2010

Retrocesso da lei penal sexual

Compartilhar:

O entendimento da lei está condicionado à atribuição de um significado, que deve determinar o seu sentido claro e lógico para a sua correta aplicação a um epsódio real. É de fundamental importância o seu fiel entendimento para uma aplicação justa e dentro dos patamares impostos pela própria justiça, que não é outra senão o de salvaguardar o direito do indivíduo. Caso contrário, poderá ser injusta com quem deveria ser julgado com justiça.

Interpretar significa, acima de tudo, entender. Para entender um texto, é preciso utilizar toda a capacidade interpretativa, ou seja, ter senso crítico e avaliar atenciosa e minuciosamente toda e qualquer possibilidade e situação que podem estar envolvidas. Porém, com a interpretação da lei, não é simplesmente um método da interpretação, mas o que realmente as evidências dos fatos apresentam no escopo das apurações e relatos pelas autoridades primeiras do processo de penalização do indivíduo infrator.

Nesse contexto, a atual composição da Lei 12.015/09, que altera a redação de alguns crimes sexuais previstos no Código Penal produziu dois equívocos claríssimos. Senão vejamos: primeiro, que na Lei anterior os crimes de estupro e atentado violento ao pudor eram julgados separadamente, ou seja, antes, havia a condenação pelos dois crimes simultaneamente, o que poderia levar a um período de 12 a 20 anos de prisão. Com o entendimento de haver um só delito, como ficaram expressos no Art. 213 da nova lei, as punições podem cair para 6 a 10 anos de reclusão. Segundo, que um jovem de 18 anos que pratica relação sexual com sua namorada de 13 anos, com o consentimento da mesma, mas que, no entanto, é acusado pelo pai da vítima, pode pegar até 15 anos de prisão, pois foi agravado o crime sexual praticado contra menores e, nesse caso, não expôs claramente nem ressalvou o ato praticado com o consentimento da vítima menor de idade.

Outro fator importante e que contradiz principalmente o Planejamento Estratégico do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que tem visão em cenários prospectivos, pois agora, com a nova escrita da Lei, foi extinta a Ação Penal Privada (os processos contra acusados de crimes sexuais, só terão início mediante atuação do Ministério Público, e só em alguns casos com o aval da vítima).

A importância de denunciar é inquestionável e deve ser por ambas as ações, ou seja, pública e privada, devendo ainda ser um processo com reserva de publicidade, pois a vítima tem o direito de querer ter o seu nome divulgado ou não em atos que possam causar constrangimento perante a sociedade, como é o caso dos crimes sexuais.

Que lei diminui penas que deveriam ser aumentadas e suprime o direito da vítima? Como, por exemplo, o direito de tornar público um fato que acarrete sujeição para a vítima. Pior que pune com mais rigor um crime cometido com a autorização da vítima, do que aquele praticado com violência e grave ameaça?

 

(*) policial militar – PMMG; bacharelado no Curso Superior - Gestão da Segurança Pública e Privada
Diogenespsilva2006@hotmail.com 




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018