JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 12 de dezembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

A síndrome do ocupado

Dizem que se você quer algo deve pedir a quem possui muitos afazeres porque se ele os tem é sinal de que sabe conduzir a rotina

- Por Marcos Vinícius Zani Última atualização: 13/06/2010 - 18:15:01.

Dizem que se você quer algo deve pedir a quem possui muitos afazeres porque se ele os tem é sinal de que sabe conduzir a rotina adequadamente e, certamente, saberia como absorver mais uma atividade. A síndrome do ocupado tem sido uma postura frequente, do desempregado ao executivo. Enfim, todos andam dizendo a mesma frase: “Eu não tenho tempo!”. Não consigo tirar da cabeça um empreendedor que, após dias de negociação por um horário para conversarmos, atendeu-me limpando freneticamente a prateira com um espanador. Fiquei falando sozinho. A cena dispensa comentários.

Esse disco com rotação acelerada é espelho de um mundo globalizado ou será que essa “correria” é a desorganização com cara de “dinâmica” e que pede disciplina? Talvez sejam os dois. Porém, já temos margem para mais uma reflexão: Temos uma boa relação com o tempo? Conheço grandes empresários que caminham diariamente, visitam hospital do câncer solidariamente, ministram palestras gratuitas, dentre outras obrigações. Se elaborarmos um gráfico de casos com “personalidades diversas” versus “atividades diversas”, vamos notar que os mais bem-sucedidos dedicam tempo para responsabilidades extras e o mesmo não acontece quando medimos o outro lado do mesmo gráfico. Por quê? Resposta: só conseguiram alcançar degraus mais nobres, pessoalmente e profissionalmente, pela habilidade de administrar com eficácia o próprio tempo. Pré-conclusão: a arte de administrar o ponteiro do relógio é o primeiro exercício preparatório para gerir o sucesso. Então, hoje é domingo, dia de praticar!

 

 (*) publicitário, professor universitário, palestrante e consultor de Marketing e Comunicação
marcos.zani@gmail.com

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia