JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 20 de março de 2019 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

Saiam de seus casulos!

15/02/2019 - 06:44:13. - Por João Eurípedes Sabino

Definitivamente; estamos numa fase em que as tragédias nos rondam diuturnamente e, para respondê-las, só há uma via: a prevenção. Aliás, não há um verbo mais eloquente e tão esquecido do que prevenir.

No universo das más notícias fomos obrigados a digerir a morte dos dez adolescentes no Centro de Treinamento do Clube de Regatas Flamengo, dia 08/02/2019. Vitor, Samuel, Rykelmo, Pablo, Jorge, Edson, Christian, Bernardo, Áthila e Arthur deram suas vidas à imprudência das imprudências. Em essência, o mesmo pensamento que rege o campo mental dos (i)responsáveis pela segurança de uma barragem, no caso a de Brumadinho, rege também a mente daqueles que confinaram meninos em um contêiner para morrer. Suas famílias agora choram na desesperança.

O pior é pensar que fiscalizações e fiscalizações foram realizadas no Ninho do Urubu e nenhum agente público teve tutano para interditá-lo totalmente ou setores das suas instalações. Pontuo sem medo de errar: poder, tráfico de influência, dinheiro, ameaças e outros fatores mais “amarelaram” os senhores da Lei a ponto de fazê-los recuar. Autoridades com poder de Estado, no momento de suas ações, recolhem-se, colocando em risco vidas indefesas. Já disse e volto a repetir: enquanto isso, os seus vultosos salários são pagos em dia, não obstante o baixo clero do funcionalismo esteja pagando alto preço para “tocar o barco”, no dizer de Ricardo Boechat.

Depois da porta arrombada, colocam o cadeado. Autoridades de todos os setores se apressam em mostrar serviço ditando regras, normas legais e diretrizes ao Flamengo infrator, que tem seu exemplo nefasto seguido pelo Clube Bangu. Interessante; os que deveriam ser recolhidos (provisória ou preventivamente) devido às mortes consumadas permanecem livres, leves e soltos. Na terra dos dourados habeas corpus, ver um poderoso preso nessas horas é sonhar dormindo sono profundo.

Um pouco da história recente de Uberaba: quando em 2003 tivemos nossas águas envenenadas por produtos químicos lançados no Ribeirão Alegria, devido ao descarrilamento de um trem, constatei algo para mim inusitado. Na procuração da empresa dona do trem, para representá-la, contei nada menos do que cinquenta e quatro advogados. Nada contra, mas imaginemos no caso Brumadinho e CT do Flamengo! Ao piloto da locomotiva restou um “sequestro”, que o fez confinado sem saber onde estava e “nada teve para declarar”.

Senhores agentes públicos fiscalizadores, saiam de seus casulos! Estamos com vocês!

 

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia