JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 12 de novembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Papo bão

Olá meu caro, tudo bem? O que há de novo? De novo, novamente, ou de novo, novo?

22/10/2018 - 19:43:41. - Por Luiz Cláudio dos Reis Campos Última atualização: 22/10/2018 - 19:43:49.

– Olá meu caro, tudo bem? O que há de novo?

– De novo, novamente, ou de novo, novo?

– De novo, novo, não há nada de novo.

– Mesmo? Tô ouvindo falar de novo, um novo. Estava ausente e só agora me dei conta do que anda ocorrendo por aqui. Me disseram que eu ia estranhar, ia encontrar tudo mudado, tudo novo.

– É, mas não é bem assim. Você sabe que para surgir algo novo de fato é preciso que se tenha ciência do que representa em inovação. Não basta proclamar sua existência e, simplesmente, se intitular novo.

– Presumo que, quando se anuncia novidade, o novo tem que se justificar pelo que traz de atração e, sobretudo, conhecimento para convencer que o novo é novo e melhor que o que existe. Novo não é antítese de velho, é embrião concebido para a maturação necessária e isso é com o tempo, nada abrupto e brusco. Precisa ser talhado.

– Verdade, nada mais desalentador que o novo arrogante, deslumbrado e prepotente, esse, seguramente, desconhece a importância de olhar mais além.

– Então, por aqui tem se falado muito em renovação, pagar pra ver. Renovar não é necessariamente optar pelo novo, mas sim pelas ideias, atitudes e proposições. Práticas condenáveis podem ser executadas por quem se apresenta como novo e repelidas por quem já não é tão novo. Caráter, tenacidade, sensibilidade, não tem idade.

– A educação, assim como a humildade e a tolerância são senhoras idosas que precisam ser respeitadas e servir de exemplo.

– Dizem que, certa vez, na China milenar, questionou-se a indicação de uma pessoa para exercer importante função de gestão. O escolhido era um senhor já com larga experiência e resultados comprovados. Perguntaram por que ele seria o escolhido já que estava há um bom tempo no seu ofício. Responderam: é ele porque não tem alguém mais experiente que ele para o difícil momento que vivemos. Lá os mais experientes têm imensa atuação nas decisões de seus grupos sociais, especialmente nos destinos políticos.

– Lançar um atento olhar a esse costume é uma contribuição para entendermos a importância dos mais experientes, buscando referências de vida que contribuam com a formação e visão de um mundo melhor.

– Bom, sendo assim, renovo o meu voto de confiança naquele que pra mim traz sempre algo novo, há bastante tempo. É com ele que eu vou de novo.

– Eu também, uai, de novo, Anastasia. 

(*) engenheiro-victorsofia37@gmail.com

 

 

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia