JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 25 de setembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Quem quer dinheiro?

Eu quero! Essa é a primeira resposta que vem à cabeça. “Dinheiro não tem cheiro”, diriam os mais desesperados, desprezando a origem do mesmo. Aqueles que são éticos diriam

- Por Marcos Vinícius Zani Última atualização: 11/10/2009 - 15:41:07.

Eu quero! Essa é a primeira resposta que vem à cabeça. “Dinheiro não tem cheiro”, diriam os mais desesperados, desprezando a origem do mesmo. Aqueles que são éticos diriam que sendo honesto, tudo bem. Outros também falariam que o dinheiro não traz felicidade, mas admitiriam que melhora a qualidade de vida. Enfim, empreendedor: você quer dinheiro?

Dizem que Marketing não é uma ciência exata, mas não se nega que é um método lógico e que trabalha sistematicamente com a maior probabilidade de acerto. Dentre essas suposições podemos fazer algumas análises ao longo do tempo em relação às necessidades e desejos dos consumidores. 

Para maior compreensão, permitam a redundância de alguns termos no texto para torná-lo mais didático. Marketing não cria necessidade e sim desejo. Você tem a necessidade de se alimentar, o Marketing provoca o desejo de você comer no restaurante “X”. Você tem a necessidade de se vestir, o Marketing provoca o desejo de você comprar aquela marca. Você tem a necessidade de ter um carro, o Marketing cria o desejo de você comprar aquele modelo. Você tem a necessidade de morar em algum lugar, o Marketing cria o desejo de você comprar aquele apartamento. Compreendeu? Então, do ponto de vista do Marketing, é estratégico descobrirmos quais as necessidades do consumidor para que o atraiamos para determinado desejo de um produto, serviço ou idéia específicos. Até aqui, nenhuma novidade. Mas onde está o dinheiro? Resposta provável: na demanda latente. Em outras palavras, na procura quase inconsciente do cliente por algo que ainda não existe. A mina de ouro está em oferecer às pessoas o que elas necessitam, mas ainda não sabem que precisam.

Se voltarmos um pouquinho no relógio perceberemos facilmente a explicação. Por exemplo: cerca elétrica nas residências. Milhares de pessoas já precisavam e nem sabiam. O problema já existia, portanto a necessidade também. Faltava um fabricante provocar o desejo de mostrar que era algo que nós estávamos precisando. Na década de 80 já era um problema o ladrãozinho que pulava o muro. Hoje, milhares pulam o muro (para roubar) e, consequentemente, necessitam de uma solução: a cerca elétrica nos muros. Sabemos que o ideal é não termos a violência, mas você há de concordar que aí a nossa conversa irá desfocar do assunto, né? Assim aconteceu com outros produtos, como por exemplo, o celular. A vida corrida já cobrava um meio de comunicação mais imediato. Também pela mesma razão o surgimento do microondas e assim por diante. O grande número de pet shops demonstra o mesmo raciocínio ‘marketeiro’. É um dos negócios que mais cresce. Por quê? É resultado de uma necessidade que o consumidor já tinha e não sabia. Claro! O ser humano está carente, cada vez mais sozinho com um milhão de amigos só nas páginas virtuais, tem menos filhos e precisa de um animalzinho para dizer: “Vem! Vem com a mamãe, vem...” Ainda sobre esse assunto, outros empresários também estão dando ao cliente o que ele precisa e ainda não sabe: pet shop móvel. São carros adaptados que vão até as residências e fazem vermifugação, vacina, tosa, banho, corta e lixa a unha, põe toquinha... Tem até pet shop que montou uma espécie de Love Au Au (um motel para o cãozinho). Para quem gostou do tema, aí vai outra sugestão que não deve ser original (sempre há quem já tenha pensado nisso): plano de saúde para bicho de estimação. Já fez as contas do quanto se gasta quando ele fica doente?

Conclusão: o empresário que sai na frente e ganha mercado é o que descobre primeiro as necessidades que os consumidores já possuem (ou que possuirão) e são os primeiros a oferecer a eles produtos, serviços e ideias precisas, criando assim o desejo pela compra. Sempre tem um cético que pensa: então, temos que ter bola de cristal, né? Não. Você tem que ter percepção, comportamento empreendedor, pesquisa mercadológica seguida de Marketing estratégico.

Ainda está na dúvida do caminho a seguir? Você quer dinheiro? Comece a observar os problemas que os consumidores estão vivendo. São esses obstáculos que nos apontam soluções futuras de negócios prósperos.

 

 (*) publicitário, professor universitário, palestrante e consultor de Marketing
marcos.zani@gmail.com

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia