Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Leuces Teixeira - 12/07/2018

O juiz amigo dos PeTralha$$!

Compartilhar:

Caros amigos leitores, aqui estou, para alegria de muitos e tristeza de uns poucos gatos pingados, principalmente falando dos nossos “amigos” petistas. Confesso que como advogado já tinha visto tudo na vida, pois não é que fui surpreendido com algo inédito ocorrido no domingo passado.

Todos sabem do que estou falando, ou seja, o caso de desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, em Porto Alegre (RS), onde as decisões do juiz federal – Sergio Moro – são enviadas, em caso de recurso da acusação ou defesa. Pois bem, o grande molusco sem dedo foi sentenciado em Curitiba pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro; foi condenado a nove anos de prisão; promotor recorreu e a condenação confirmada em segunda instância, inclusive, a pena aumentada para doze anos e um mês de reclusão, em regime fechado! Os advogados do molusco recorreram e, agora, o processo vai para terceira instância, ou seja, para o Superior Tribunal de Justiça (STJ); podendo chegar à suprema corte – STF. Este é o procedimento traçado pela legislação vigente, mais ainda, a questão já foi resolvida na segunda instancia – TRF-4.

Todavia, apareceu uma figura emblemática no meio do caminho, o desembargador Rogério Favreto, que não é juiz de carreira, não prestou o dificílimo concurso da magistratura federal, caindo de paraquedas naquele Tribunal, oriundo do chamado quinto constitucional; indicação de Dilma Rousseff. O próprio nome do Sr. Favreto já causa perplexidade, conforme comentário do jurista Miguel Reale Júnior: “Favreto em italiano significa favorzinho”. Ouso discordar do ilustre Professor Reale, com a devida vênia, em português claro significa plantonista petista!

Basta verificar a biografia do ilustre desembargador, um serviçal carreirista militante do lulopetismo, por cerca de vinte anos, ao que consta começou com Tarso Genro, na prefeitura de Porto Alegre. O que ocorreu foi uma vergonha para a memória do Judiciário brasileiro, como explicar o ocorrido em sala de aula, ou até mesmo numa mesa de bar. Não tem explicação, uma situação teratológica – estudo das monstruosidades.

O site Antagonista publicou que a douta autoridade – Sr. Favreto – ligou aos berros para o delegado federal Roberval Ré Vicalvi, mandando soltar o ladrão mais ilustre desse país. Fico indignado, também, que os mentores dessa arapuca foram os ilustres deputados Wadih Damous, Paulo Pimenta e Paulo Teixeira, o primeiro foi presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, seção do Rio de Janeiro, e sabe muito bem da total impossibilidade dessa atitude desqualificada. Digo mais, no primeiro plantão forense daquele Tribunal, onde estaria o fiel amigo dos PeTralha$$$$, no chamado dito popular: na hora errada, no local errado e fazendo tudo errado, ao arrepio da Lei. Outras maracutaias virão, não tenho dúvida nenhuma, inclusive, com a possível ajuda de outras autoridades com assentos importantes no Judiciário brasileiro. Como disse a gerentona Dilma, que faria o diabo para ganhar a eleição de 2014; ganhou e deu no que deu! Vão fazer o diabo, o capeta, o coisa ruim, belzebu, etc., etc., para colocar o Luladrão na rua e ganhar a eleição. Tenho medo, com tantos amigos importantes, principalmente no Judiciário. Deus Pai, tenha misericórdia do povo brasileiro!!!




San Marco - 13jul
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc acredita que o problema de emisso de Carteiras de Trabalho ser resolvido com o apoio do Sine Municipal, que passar a emitir o documento possivelmente ainda neste ano?




JM FORUM
Diante do crescente nmero de moradores de rua e com o fechamento do albergue municipal, a Seds lana nova etapa de poltica de resgate. Na sua opinio, como a situao de rua pode ser revertida em Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018