Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Karim Abud Mauad - 12/03/2018

Mais uma vez, guas de Maro

Compartilhar:

“Março chega fechando o verão com promessa de vida no teu coração”, parafraseando mestre Tom Jobim, apenas para lembrar que já estamos em março e os nossos problemas enquanto Nação continuam os mesmos. Todo dia aparece alguém falando de um ou outro assunto, mas o fim é sempre o mesmo, crise, segurança pública, política e políticos, Lava Jato e seus desdobramentos, eleições. A cantilena não para e, o pior, deixa muitos incautos paralisados, esperando que tudo se resolva num passe de mágica. Complicado agir assim, pois até o Mister M já teve seus truques e mágicas desvendadas.

O ideal é que começássemos a agir como um povo que pensa coletivo, e não apenas individualmente, olhando para o próprio umbigo. Temos muito discurso vazio, travestido de preocupação coletiva. Está passando da hora de trabalharmos as mudanças necessárias para destravarmos o país, seja enfrentando reformas na Constituição, nas leis ordinárias, nos códigos, enfim, em todo e qualquer entulho que impeça o Brasil de se desenvolver de forma constante e de fato sustentável. Sem cinismos e exageros de qualquer lado ou parte.

Nosso projeto de Nação, se é que de fato tivemos um, está perdido e carrega vícios desde o descobrimento, em 1500. E nós, enquanto povo, fingimos não perceber que somos os responsáveis principais por esse estado de coisas, por ação ou omissão, por desconhecimento ou esperteza, por conivência ou despreparo, enfim por permitir que o país chegasse aonde chegou. Para não voltar muito no tempo, assista ao filme – quem ainda não assistiu – da dupla Grande Otelo e Oscarito, chamado “E o bicho não deu”. As mazelas e o nosso jeito de ser estão lá retratados.

O momento, e tenho aqui insistido nisto, é de ficarmos atentos, e não nos deixarmos levar por promessas vazias, discursos fáceis e atitudes apenas eleitoreiras.

Também não podemos nos esquecer de que nossos representantes eleitos em qualquer nível, cidade, estado e federação são pessoas escolhidas por nós, dentro da nossa sociedade. Eles não são OVNIs... Em Alto Paraíso do Goiás, dizem que tem uma pista para pouso de discos voadores, mas não existe evidência nenhuma de que nossos executivos, legislativos e judiciários tenham vindo de lá. Não existe a mínima evidência científica desse fato, o que apenas comprova nossa tese da origem dos nossos eleitos e concursados.

Portanto, além de nos orientarmos bem, devemos exercer nosso direito a voto e, de preferência, com escolhas, pois a representatividade também é importante. Evite a insensatez de não votar, anular voto, votar em branco ou anular o voto. Alguém irá votar e as mesmas cadeiras de hoje continuarão preenchidas. Não desperdice a oportunidade de votar e cobrar. A democracia, mesmo que imperfeita, agradece. Escolha. NÃO TEREMOS SALVADORES DA PÁTRIA, MAS REPRESENTANTES DE QUEM COBRAR. Fica a reflexão.

Karim Abud Mauad
karim.mauad@gmail.com

 




San Marco - 13jul
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Perodo de frias se aproxima e muitas pessoas devem viajar, o que faz circular novas doenas vindas de outras localidades. A sua vacinao est em dia?





JM FORUM
Na sua opinio, o que deu errado para a Seleo Brasileira, que era vista como favorita taa, ser eliminada na Copa do Mundo?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018