JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 19 de dezembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Ausências

A professora pediu que, no dia seguinte, cada aluno levasse uma rosa para a comemoração

- Por Ricardo Cavalcante Motta Última atualização: 03/03/2018 - 07:58:59.

A professora pediu que, no dia seguinte, cada aluno levasse uma rosa para a comemoração do Dia das Mães na escola. No horário de sempre, dois meninos vizinhos encontraram-se para ir à escola. Um deles tinha uma rosa nas mãos. O outro não se lembrou da solicitação. Este, logo que viu a rosa do colega, ficou aflito pelo seu lapso. Nem roseira tinha em casa. O outro colega voltou em sua casa, colheu do jardim outra linda rosa e deu ao amigo. Seguiram alegres o percurso até a escola. Lá as flores foram depositadas em uma jarra comum, aguardando o momento da homenagem. Em certo ponto do evento as crianças recolheriam as rosas e as destinariam a suas mães. Assim se deu. Foram todas elas cantando: "Mamãezinha, eu te dou um abraço e uma flor, nesse dia tão bonito que Jesus também amou". Mas qual não foi a decepcionante surpresa do atento menino que colheu as rosas? Exatamente sua mãe estava ausente. Lacrimejante, ficou perdido. Comovido, o colega socorrido o tomou pelas mãos e o levou até sua própria mãe e ele, num remendo, procedeu a entrega do regalo a ela, mas nitidamente entristecido. Compreendendo a situação, a mãe presente aliviou o menino com uma desculpa pela ausência de sua mãe, ao que ele, mesmo inconformado, acatou como consolo. A questão é que há certas faltas desmotivadas que ferem muito. O menino socorrido pelo colega logo pensou como poderia ter sido a decepção da própria mãe se tivesse deixado de levar para ela sua flor. Pois é! Há de se ter atenção com as pessoas próximas, especialmente as amadas. Há ausências que doem profundamente, nem sempre tão singelas. Podem deixar traumas e marcas indeléveis.

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia