Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Olga Maria Frange de Oliveira - 14/02/2018

Carnaval Uma Obra Aberta

Compartilhar:

No ano de 604 (século VII d.C.), o papa Gregório I instituiu a “Quaresma”, período de 40 dias para que os fiéis se dedicassem ao jejum e a privações, lembrando o período que Jesus passou no deserto. Só em 1091 (século XI d.C.) a Igreja resolveu fixar a data da Quaresma. Como havia o costume de se marcar a testa dos fiéis com as cinzas de uma fogueira em sinal de penitência, deu-se o nome de quarta-feira de Cinzas ao início do período de abandono dos prazeres, que deveria ser um ciclo de meditação sobre o martírio de Jesus e sua ressurreição.
Ao criar a Quaresma, a Igreja Católica instituiu o “Carnaval”, pois a perspectiva de ficar muitos dias sem comer carnes e gorduras, visto que durante a Quaresma os fiéis deveriam comer apenas peixes, fez com que a sociedade católica se organizasse para aproveitar ao máximo os últimos dias de prazeres mundanos antes de dar “o adeus à carne”.
O carnaval foi introduzido no Brasil pelos portugueses, com o nome de entrudo (introitus, começo, entrada), nome com que a Igreja Católica designava as solenidades litúrgicas que antecedem a Quaresma. Do século XVI até o século XIX existiu o “entrudo”, festa brutal e alegre. Não havia diferenciação nas comemorações do norte, centro e sul do Brasil.
Água, farinha, fuligem, goma, eram lançados nos transeuntes. Água molhava famílias e ruas inteiras, em plena batalha. Criados, outrora escravos, carregavam as bilhas, latas e cântaros para suprimento dos patrões empenhados na guerra. Depois, o entrudo admitiu formas mais doces, com as laranjinhas de cheiro e garrafinhas de borracha com água perfumada.
O primeiro baile de máscaras, inspirado em modelo europeu, foi realizado no Rio de Janeiro em 1840. Já o primeiro desfile de carros alegóricos aconteceu em 1854, também no Rio, sob o patrocínio do escritor José de Alencar.
No fim do século XIX, a compositora e pianista carioca Chiquinha Gonzaga compôs “Ô abre alas”, hino para o cordão “Rosas de Ouro”. Foi a primeira música criada exclusivamente para o carnaval.
Anos depois, impulsionados pela popularização do rádio, o samba e a marchinha incrementaram o repertório dedicado à maior festa brasileira. Composições ingênuas, bem-humoradas, maliciosas e satíricas, assinadas por grandes nomes, como Haroldo Lobo, João de Barro e Lamartine Babo, tomaram de vez as ruas e os bailes.
Com a invenção das marchinhas brasileiras, do samba e do frevo, tudo mudou de figura; o carnaval levantou as massas e virou festa nacional.
No século XX foram se fixando diferenças marcantes entre os carnavais de Recife e Olinda, de Salvador e do Rio de Janeiro. Em Recife surgiu o Frevo, inventado pelos mestres das bandas militares pernambucanas. Em Olinda, os Bonecos Gigantes dão um toque peculiar às comemorações carnavalescas. Na Bahia, Dodô e Osmar inventaram a guitarra baiana, eletrificando a folia de Salvador e criando o Trio Elétrico, que arrasta uma verdadeira onda humana por onde passa. O que as pessoas ignoram é que a invenção da guitarra baiana se deve ao violonista uberabense Benedito Chaves, cognominado “Guru”, que emprestou seu violão elétrico para Dodô estudar o mecanismo de funcionamento e aperfeiçoar a emissão do som, livre de reverberações. No Rio de Janeiro, os Desfiles das Escolas de Samba são o ponto alto das comemorações populares. Em quase todos os lugares elegem-se um Rei Momo e uma Rainha do Carnaval.
O grande carnaval, meganegócio, é relativamente recente. O que se percebe é que, atualmente, muito se perdeu da espontaneidade popular, por influência da indústria de consumo.
De qualquer modo, o carnaval tornou-se a maior festa de cunho popular do Brasil. O folclore e a indústria de consumo coexistem e interferem nos rumos dessa história, mas o fato é que o povo cria novas formas de extravasar sua alegria, permanecendo senhor absoluto dos festejos de Momo e tornando o carnaval uma obra aberta.

Olga Maria Frange de Oliveira
Pianista, professora, maestrina, regente do Coral Artístico Uberabense, pesquisadora da História da Música em Uberaba, ex-diretora geral da Fundação Cultural de Uberaba
 




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Aps publicao no Porta-Voz, obras da revitalizao do Calado devem sair do papel neste ms. A previso que sejam concludas em seis meses. Na sua opinio, a revitalizao fica pronta para impulsionar as compras de Natal?




JM FORUM
A partir desta tera-feira, dia 15 de maio, pr-candidatos de todo o pas podero iniciar suas campanhas de financiamento coletivo online, a vaquinha virtual. Voc acredita que a arrecadao ser suficiente para as campanhas?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018