Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Mnica Ceclio Rodrigues - 29/01/2018

O valor dos alimentos e as verbas no habituais

Compartilhar:

Ao filho é reconhecido o direito de pedir a pensão alimentícia aos pais em razão do parentesco. Esta obrigação legal engloba não só o alimento propriamente dito mas também as despesas com habitação, vestuário, educação, diversão, tratamentos de saúde etc.

Todavia, não é facilmente encontrado o valor econômico deste direito, em razão da variação financeira e discrepância do poderio econômico entre o cidadão brasileiro. Ao que para alguns o valor é utilizado para o mês inteiro, com despesas para a sobrevivência, para outros serve para diversões semanais.
Assim, a nossa lei, já prevendo esta dificuldade, cria pressupostos para nortear este direito e principalmente encontrar o seu valor, que são: necessidade do alimentado (credor) e possibilidade do alimentante (devedor).

Levando em conta a necessidade do credor acha-se o valor de que este precisa a título de alimentos e confrontando com a possibilidade econômica do devedor, encontra-se o quantum que deverá ser pago como verba alimentar. Logicamente, a necessidade deve estar contida dentro da possibilidade.
Entretanto, pode acontecer que alguns devedores auferem um rendimento muito alto e que não pode servir de base para o cálculo, pois ultrapassaria muito a necessidade do credor. Desta feita, hoje se utiliza também um outro pressuposto para encontrar o valor dos alimentos e conter a sanha de alguns credores – a proporcionalidade.

Pois a pensão alimentícia é para a sobrevivência do credor e não para o seu enriquecimento. Não pode, a pensão, extrapolar qualquer quantia que não seja da necessidade do alimentando.

Desta feita, elaborado este cálculo tem-se o valor dos alimentos devidos ao filho, no caso em comento.

Outrora, o devedor pode receber outros rendimentos, a exemplo de: participação nos lucros e resultados da empresa, FGTS, prêmios, vantagens remuneradas e outras verbas recebidas que não sejam habituais, além de possuírem caráter indenizatório e personalíssimo; não se somam ao salário mensalmente.
Portanto, não podem servir de cálculo e nem lhe conferir características de possibilidade do devedor. Estas verbas retro exemplificadas não incorporam os rendimentos do devedor dos alimentos, em razão das características apontadas.

Nos casos concretos, deve o julgador buscar inicialmente o verdadeiro valor da necessidade do alimentante para se encontrar o resultado da quantia da pensão alimentícia devida; uma vez que, o alimentado pode ter uma alta capacidade econômica financeira, mas se não restar provada a quantia da necessidade do credor, não será justo atribuir a obrigação sem prova da quantia necessitada e muito menos tentar rever o valor já arbitrado em razão de verbas esporadicamente recebidas e que não são consideradas rendimentos habituais.

Dra. Mônica Cecílio Rodrigues
Advogada, doutora em processo civil e professora universitária.




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018