JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 17 de novembro de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

Conflitos na família

Manter uma boa convivência em família é - por mais incrível que pareça - um dos maiores desafios...

- Por Eliana Barbosa Última atualização: 15/09/2017 - 21:41:00.

Manter uma boa convivência em família é - por mais incrível que pareça - um dos maiores desafios dos seres humanos. Eis aqui, então, sete lições poderosas para você melhorar seu convívio familiar:

1. Entenda que são raras as famílias onde a paz e a confiança sejam comuns. A maioria das relações familiares, não só no Brasil, mas em todo o mundo, são marcadas por ressentimentos, orgulho, egoísmo, desamor e, é claro, decepções.

2. Se for possível, evite trabalhar com familiares, ou mesmo se envolver em negócios com eles.

3. Porém, caso você trabalhe em uma empresa familiar, procure ter profissionalismo, separando cada campo de sua vida, com maturidade, sabedoria e equilíbrio.

4. Se você se decepcionou com a atitude de um familiar, pare de sofrer por quem ele é. Ele não vai mudar só porque você está triste. Você é que precisa se desapegar do passado e perdoar, dando a essa pessoa um papel irrelevante em sua vida. Enquanto perdurar a mágoa, o ofensor vai ocupar o papel principal em sua história.

5. Após perdoar o familiar que o feriu, siga seu coração. Perdoar é diferente de reconciliar. Muitas pessoas se reconciliam, mas, intimamente, nunca perdoam, e vivem o resto da vida escravas do ressentimento, relembrando e cobrando do outro as atitudes erradas do passado.

6. Se o ofensor ocupa seus pensamentos e emoções, é sinal de que você ainda guarda mágoas. O perdão é libertador! Você só vai saber se realmente perdoou alguém quando conseguir se recordar da ofensa e não sentir mais dor, e, assim, livre para ser quem você é, viver a vida que sempre sonhou.

7. E se foi você quem criou conflitos em sua família, enquanto ainda é tempo, procure os envolvidos e peça perdão. Faça a sua parte, mostre sincero arrependimento e desejo de mudar, mas não se frustre se você não for aceito por todos. Esse é preço que pagamos quando, imaturos na forma de nos relacionar, ferimos as pessoas à nossa volta. 

(*) Life coach, psicoterapeuta, articulista de jornais e de revistas de circulação nacional e internacional, autora de vários livros no campo do autodesenvolvimento, apresentadora de programas em TV e rádio, e ministra palestras e cursos transformacionais no Brasil e nos Estados Unidos
www.elianabarbosa.com.br
eliana@elianabarbosa.com.br

Leia mais

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia