Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Bruno de Assis - 03/07/2017

Deus e o infinito

Compartilhar:

Na vastidão do céu, lá onde habitam as estrelas; nas gotas de água contidas na imensidão do oceano, e até mesmo na divisão das partículas subatômicas, não encontramos o infinito, pois na natureza tudo está delimitado. Na nossa realidade sensível, da materialidade, não existe nada que exceda ou extrapole as categorias de espaço e tempo. Na natureza, tudo está contido em uma fronteira que demarca o ser e o outro.

O infinito é apenas uma força de expressão. Quem o procurar no universo vai se perder. Quando dizemos que algo é incontável, estamos apenas usando uma figura de linguagem para exprimir que determinada quantidade ou situação se repetiu um número exagerado de vezes. Não chegamos à noção de infinito pela experiência. Trata-se, portanto, de um conceito abstrato, a priori.

Se, na natureza, tudo está disposto em número, peso e medida, mesmo que me durasse toda a vida, quando eu terminasse de contar os grãos de areia de uma praia, chegaria a um número exato, pois o infinito só poderia ser entendido em um sentido negativo, caracterizando a hipotética impossibilidade ou incompletude de uma série.

Giordano Bruno, ao afirmar a identidade entre Deus e o universo e, consequentemente, a existência de infinitos universos, não se deu conta de que confundia arte e artífice. Errou Giordano ao identificar Deus com a natureza, negando sua transcendência, e ao considerá-Lo imanente a um universo infinito.
Atribuir atributos divinos à natureza é o mesmo erro de atribuir atributos naturais a Deus. Se isso fosse possível, poderia o homem ter o poder, derivado de sua eternidade e divindade, de ter criado a si mesmo. De tal forma, poderíamos ser a causa de nós mesmos.

Com efeito, toda arte leva um pouco do artífice, mas um não coincide nem se identifica com o outro. Pascal medita em seus “Pensamentos”: “A natureza tem perfeições para mostrar que é a imagem de Deus, e defeitos para mostrar que é apenas a imagem”. Deus é infinito justamente porque transcende a natureza, excluindo-se, assim, a hipótese de uma divindade imanente.

Bruno de Assis
Professor e jornalista




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018