Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Mnica Ceclio Rodrigues - 19/06/2017

Enamorar fundamental, mas o acordar tambm...

Compartilhar:

Inspirada em Vinicius de Moraes que acha ser a beleza, os conhecedores do direito acham ser o contrato fundamental, criando a máxima: “o que é acordado não sai caro”!

Para não romper o clima de romantismo que pairava sobre o ar na semana passada, o assunto desta coluna teve que esperar para ser tratado depois do dia dos namorados, pois a realidade bate à porta... com todas as suas nuances fáticas e reflexos jurídicos que não devem ser ignorados.

Pois bem, então iremos tratar de um delicado assunto que permeiam entre os que foram outrora enamorados – o contrato de namoro.

Ainda sem respaldo legal, vem ganhando força na doutrina o contrato denominado de namoro, onde as partes avençam este tipo de relação, pois somente assim não se cria nenhum direito ou obrigação, resguardando-os e objetivando a blindagem do patrimônio individual.

Posto que, nem sempre é fácil a distinção entre o namoro e a união estável, pois a linha limítrofe entre um e outro é muito tênue e pode com o tempo ser confundida. Como a legislação não estabelece um prazo determinado para configuração da união estável e muito menos um documento hábil para a sua existência, muitas vezes um simples namoro pode ser intencionalmente transformado em união estável e vice e versa também, ao bel prazer dos envolvidos.

Como já dito, não existe na lei o reconhecimento do contrato de namoro; o que leva alguns doutrinadores a não reconhecem a sua existência, apontando tão somente como uma atitude de má-fé, que objetiva descaracterizar a verdadeira intenção de constituição de família e que este contrato não impediria o reconhecimento da união estável, se verificar a existência de seus pressupostos, mesmo que seja exigida uma ação judicial para esta declaração.

Mesmo que sejam mais liberais, o modelo francês, exige para a existência da união estável a feitura do pacto “civil de solidariedade", o que certamente cria um empecilho para a parte de má-fé na relação.

Pela fragilidade da prova da conduta dos enamorados para configurar uma união estável ou um namoro, fica ao alvedrio a interpretação dos envolvidos saber tratar de um ou de outro; e diante da omissão da lei quanto a exigência de um documento comprovando a existência da união, não seria de todo mal o reconhecimento da necessidade de um contrato de namoro, para resguardar aquele que realmente não quer constituir uma união estável.

Pois as barras do tribunal cada parte argumentará a seu favor e defenderá a existência do tipo de relação que lhe aprouver e convier.
Saindo vencedor, se assim poderíamos chamar, aquele que “tiver” a melhor prova!!

E como muito bem sabemos a testemunha neste caso é muito utilizada como prova e sua característica básica é ser a meretriz, acaba maculando toda a instrução processual, deixando a outra parte de mãos e pés atados.

Portanto, a matéria é muito controvertida e os doutrinadores estão divididos; e diante das sutilezas que diferenciam a união do namoro, não parece ilegal a formalização contratual de um relacionamento denominado de namoro, pois tudo o que não é proibido é permitido; e ao que conste não existe proibição legal de firmar este tipo de contrato – o de namoro.

Destarte, mesmo que o amor esteja no ar, não pode haver timidez quando se trata de, expressamente, “acordar a relação”, e em caso de dúvida o advogado pode esclarecer quais serão as consequências jurídicas a existência ou não do contrato de namoro.

Dra. Mônica Cecílio Rodrigues
advogada, doutora em processo civil e professora universitária.
Para sugestões sobre temas a serem tratados enviar e-mail para monicacradv@hotmail.com




EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Petrobras divulgou recentemente novos aumentos para o gs e tambm para os combustveis. Porm, o que se viu na prtica foram aumentos muito superiores s alquotas divulgadas pela estatal, deixando o consumidor preocupado. Na sua opinio, quem deve fiscalizar esses aumentos?








JM FORUM
Vereadores encaminharam ofcio ao governo estadual requerendo a instalao de mais cmeras do Olho Vivo nas imediaes da praa Frei Eugnio, no centro, e na avenida Ablio Borges de Arajo, na Abadia. Voc acredita que esses so pontos onde, de fato, h necessidade de instalao de monitoramento?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017