Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Renato Muniz Barretto de Carvalho - 18/06/2017

Onde vamos parar?

Compartilhar:

Senhores e senhoras, eis uma das mais fascinantes perguntas já feitas pela humanidade: onde vamos parar? Mesmo repetindo à exaustão e implorando por uma resposta que sirva aos seus interesses, muitas empresas, órgãos públicos, colunistas, diretores de escolas, deputados, padres, chefes de seção, pais de família e outros assemelhados não conseguiram, ainda, responder a esta tão angustiante pergunta. Independente da hora, da época, do sexo e da classe social, ela persiste, de forma instigante, incomodante e desafiadora.

Preocupado com o desespero que isso traz aos lares brasileiros, vou tentar dar minha humilde contribuição. Desde já, sinto-me no dever de esclarecer, para evitar decepções, que a resposta não é simples, envolve uma boa dose de conhecimento complexo e, apesar da gravidade do assunto, ao final desta breve explanação eu talvez não tenha conseguido responder, conforme o momento político exige. Peço antecipadas desculpas caso gere expectativas não correspondidas. Não sou um sabe-tudo, apenas um escriba aprendiz e um estudioso de oráculos fantasiosos e outras formas antigas de adivinhação.

O fato é que não é de hoje que a pergunta perambula por aqui, por ali e alhures. Provavelmente, esteve na origem da nossa história, quando os cabralinos estavam perdidos no Atlântico, ou quando os índios viram aqueles portugueses desorientados desembarcarem na praia: onde esses caras-pálidas vão parar? Ah, se eles soubessem! A perguntinha esteve na boca da aristocracia rural quando o país resolveu colocar um ponto final na escravidão e, também, nas bocas e cacholas da honorável nobreza local durante o episódio que encerrou a monarquia e deportou o imperador Dom Pedro II. Tanto o infeliz monarca como o mais incauto transeunte devem ter se indagado: onde vamos parar? Dom Pedro soube logo mais, mas, dizem, até hoje alguns procuram a resposta. O Deodoro não quis saber e lascou uma esporada no cavalo! Só parou por conta de um golpe, pois é... E parou porque levou uma ferrada do Floriano, o Marechal de Ferro.

Eu soube, anos depois, que senhores empertigados, useiros e vezeiros da tradicional indagação, fizeram a mesma pergunta quando as mulheres resolveram reivindicar o direito de voto. Descendentes de antigos coronéis da Guarda Nacional se perguntaram, indignados e surpresos, mas as senhoras tomaram o bonde de assalto e foram às urnas, sem parar em nenhuma estação de lá pra cá.

A tal pergunta tornou-se quase um mantra na década de 1960, quando meninos e meninas resolveram usar as mesmas roupas, os mesmos cabelos compridos e se rebelaram contra a dita – opa! – moral e os bons costumes.

Como estava difícil descobrir a resposta, resolvi pedir ajuda a um motorista de ônibus. Ele disse que sabia onde ele ia parar, quanto a mim, só eu poderia saber a resposta. Como eu não quero saber de ponto final, resolvi descer logo; ponto final só o desta crônica, neste instante em que ela chega ao fim.




EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Os vereadores aprovaram em segundo turno, por 13 votos a um, o aumento do nmero de cadeiras para a prxima legislao, em 2021. Voc concorda com a proposta?




JM FORUM
Empresas do transporte coletivo solicitam aumento de cerca de 10% no valor da passagem, que pode chegar a R$ 4,17 em 2018. Na sua opinio, o que poderia justificar este aumento?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017