Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Mnica Ceclio Rodrigues - 12/06/2017

Os alimentos so para sobreviver no para enriquecer

Compartilhar:

Em uma coluna anterior já foi tratado sobre o direito aos alimentos e demonstrado, mesmo que sutilmente, a exigência de se provar a necessidade do alimentando e a possibilidade do alimentante.

Entretanto, a legislação brasileira, quando cuidou deste assunto, confirmou a imprescindibilidade de aplicar um terceiro pressuposto – a proporcionalidade -, para que não ocorra o enriquecimento indevido com o recebimento da pensão alimentícia, já que o seu caráter é de suprir as necessidades de vida do credor e não de enriquecê-lo.

Como a pensão alimentícia é calculada sobre a renda ou ganhos do devedor e alguns devedores de alimentos tem uma alta e significativa renda, para os padrões nacionais, isto pode elevar muito o valor dos alimentos.

O que significa dizer que diante dos altos recursos econômico-financeiros do devedor a pensão alimentícia pode atingir valores elevados e contrários a nobre função dos alimentos.

Por isto, ela não deve ser fixada além das comprovadas necessidades do credor; porque uma das características dos alimentos é suprir o pagamento das obrigações financeiras do credor para a sua sobrevivência.

Além do mais, a alegação de que a pensão alimentícia é trinta por cento (30%) para cada filho, percentual este calculado sobre o valor dos ganhos do alimentante trata-se de um mito, nada mais.

Simplesmente porque, por um cálculo matemático, verifica-se a total impossibilidade deste argumento; se o devedor da pensão tiver três filhos, ou seja: trinta vezes três, resulta em noventa por cento, restando assim para a sobrevivência do alimentante apenas 10% de seus ganhos, resultado matemático que será obtido independentemente se a renda for alta ou baixa.

E jamais o direito pode permitir desnudar um santo para vestir outro, não menos santo!

Portanto, já de início o folclórico argumento de que a pensão é de trinta por cento sobre o ganho do devedor não passa de um grande engodo, pois em realidade deverá ser sopesada com a necessidade do credor e mesmo diante da alta possibilidade do devedor – entenda-se dos altos ganhos -, deve ser aplicado o pressuposto da proporcionalidade.

Os alimentos devem cobrir as necessidades básicas de quem pede e jamais sendo fonte de enriquecimento do credor.

A razão de descrever sobre este importante e por vezes esquecido pressuposto dos alimentos – a proporcionalidade -, é simplesmente para cortar a sanha daqueles que pretendem receber uma alta pensão alimentícia, de quem induvidosamente tem condições de pagar, pois o direito aos alimentos guarda características peculiares e próprias do instituto; e uma delas é não enriquecer o credor, que se assim desejar não poderá obterá por meio dos alimentos.

Para a busca por resposta correta e uma solução justa ao caso concreto faz-se sempre necessário um advogado, que cautelosamente analisará os fatos, auxiliando-se da lei e da jurisprudência dos nossos Tribunais.

Dra. Mônica Cecílio Rodrigues
advogada, doutora em processo civil e professora universitária.
Para sugestões sobre temas a serem tratados enviar e-mail para monicacradv@hotmail.com




EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

ENQUETE
Os vereadores aprovaram em segundo turno, por 13 votos a um, o aumento do nmero de cadeiras para a prxima legislao, em 2021. Voc concorda com a proposta?




JM FORUM
Empresas do transporte coletivo solicitam aumento de cerca de 10% no valor da passagem, que pode chegar a R$ 4,17 em 2018. Na sua opinio, o que poderia justificar este aumento?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017