Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Drisdelle Lopes - 15/05/2017

A ilegalidade do pagamento adicional de 10% do FGTS referente contribuio social recolhida pelas empresas optantes pelo simples nacional

Compartilhar:

A jurisprudência vem entendendo que as empresas optantes pelo Simples Nacional estão dispensadas do pagamento adicional de 10% sobre o FGTS em caso de demissão sem justa causa.

De início, salienta-se que a Lei Complementar 110/2001 instituiu a contribuição social no montante de 10% (dez por cento) devida pelos empregadores à União, em caso de despedida de empregado sem justa causa, sobre o montante de todos os depósitos referentes ao Fundo de Garantia do Tempo de Serviço – FGTS, durante a vigência do contrato de trabalho.

A contribuição instituída tem natureza tributária e apenas foi criada para restabelecer o equilíbrio das contas do FGTS diante da sua depreciação pelos expurgos inflacionários dos sucessivos Planos Econômicos Verão e Collor I.

As empresas optantes pelo Simples Nacional possuem um regime tributário diferenciado, sendo regida pela Lei Complementar 123/2006.
Com efeito, o artigo 13 da LC 123/2006 traz o rol de tributos sujeitos ao recolhimento unificado, não sendo mencionada a contribuição social de 10% (dez por cento) sobre o FGTS.

Além disso, o parágrafo terceiro do referido artigo assevera que as microempresas e empresas de pequeno porte optantes pelo Simples Nacional ficam dispensadas do pagamento das demais contribuições instituídas pela União, inclusive as contribuições para as entidades privadas de serviço social e de formação profissional vinculadas ao sistema sindical, de que trata o art. 240 da Constituição Federal, e demais entidades de serviço social autônomo.

Logo, vê-se que foi dada isenção às sociedades empresárias optantes pelo “Simples Nacional”, “quanto às demais contribuições instituídas pela União.”
Portanto, sua imposição ao optante do Simples Nacional revela-se irregular, conforme demonstra o julgado recente proferido pela Vara Federal do Distrito Federal:

“Assim, como a parte autora é optante pelo Simples Nacional desde 01 JAN.2015 (fl. 23), tem direito à isenção conferida pela LC nº 123/2006. Pelo exposto, confirmo a tutela de urgência e JULGO PROCEDENTE O PEDIDO para declarar a inexistência de relação jurídico tributária que imponha o dever de efetuar o recolhimento a título de Contribuição Social instituída pelo art. 1º da LC nº 110/2001, de modo a obstar o recolhimento da alíquota de 10% sobre o FGTS, abstendo-se, ainda, de adotar qualquer medida consistente na inclusão do nome da autora no Cadin que esteja relacionado à presente questão”.

O Juiz Federal destacou ainda que, a norma especial de isenção (LC 123/2006 art.13) deve prevalecer sobre a norma geral, que institui a contribuição social prevista no art. 1º da LC nº 110/2001.

Posto isso, as empresas optantes pelo Simples Nacional que vêm efetuando o pagamento indevidamente, podem ingressar para reaver os valores pagos, bem como para deixar de pagar a contribuição no futuro.


DRISDELLE LOPES é especialista em Direito Tributário pelo Instituto Brasileiro de estudos Tributários, Extensão nas Grandes Teses; Membro da Comissão de Direito Tributário da Ordem dos Advogados de Uberlândia-MG, Membro da Associação Brasileira de Direito Tributário e Advogada Tributária no Escritório Moreira Araújo Advocacia em Uberaba-MG. Dúvidas: drisdelle.adv@hotmail.com

 






San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018