Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Paulo Leonardo Vilela Cardoso - 11/01/2017

A crise no sistema penitencirio nacional

Compartilhar:

O Brasil assistiu, alarmado, à morte de 60 detentos em Manaus (AM) e de outros 31 na maior penitenciária de Roraima, fato que levou o Governo Federal a mobilizar a Força Nacional de Segurança para controlar a situação nos estados atingidos, e a prevenir novos levantes em outros pontos do País.

A crise no setor penitenciário é antiga, e vem se arrastando sob os olhos dos governantes, que só mostram ações quando ocorrem atos desta estirpe. Em todo o País, segundo último balanço do Governo Federal, de 2014, são 622,2 mil presos para 371,9 mil vagas, o que representa um déficit de 250,3 mil vagas.

         Quanto às condições de abrigo do preso, a Constituição Federal define nos incisos XLVIII e XLVIX do artigo 5o: XLVIII - a pena será cumprida em estabelecimentos distintos, de acordo com a natureza do delito, a idade e o sexo do apenado; XLIX - é assegurado aos presos o respeito à integridade física e moral;

A Lei de Execução Penal brasileira, por sua vez,  prevê em seu artigo 10 que a assistência ao preso e ao internado é dever do Estado, objetivando prevenir o crime e orientar o retorno à convivência em sociedade.

Basta uma simples leitura para verificar que, nos casos ocorridos em Manaus e Roraima, a regra Constitucional e de Execução Penal nem de longe era obedecida. O programa de reinclusão do condenado na sociedade, por sua vez, parece ter sido totalmente ignorado.

As rebeliões e mortes geradas evidenciam, de forma clara, que o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária, com sede na Capital da República e subordinado ao Ministério da Justiça, não vem cumprindo sua diretriz principal, qual seja, inspecionar e fiscalizar os estabelecimentos penais. Por conta desta missão, deveria informar-se, mediante relatórios do Conselho Penitenciário, requisições, visitas ou outros meios, acerca do desenvolvimento da execução penal nos Estados, Territórios e Distrito Federal, propondo às autoridades dela incumbida as medidas necessárias ao seu aprimoramento.

Ao contrário, o sistema prisional brasileiro apresenta-se como uma verdadeira Pós-graduação do Crime. Um preso entra pela prática de furto de um chocolate, e sai de lá pronto para a prática dos crimes de maior gravidade.

Segundo dados apresentados pelo Conselho Nacional de Justiça, para acabar com o déficit atual de 250 mil vagas no sistema penitenciário nacional, seria necessário um investimento de pelo menos R$ 10 bilhões, a mesma quantia, por sinal, movimentada em propina na operação Lava Jato.

Medida interessante, por exemplo, seria condenar os agentes públicos e as empreiteiras envolvidas nos crimes de corrupção, em penas pecuniárias, capazes de promover a construção de novas escolas, hospitais e presídios pelo Brasil. A faxina do crime deve começar por aí.




EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje

Uai Tracker animado
ENQUETE
A Operao Carne Fraca, deflagrada pela Polcia Federal, colocou em xeque a qualidade da carne comercializada no Brasil. O assunto preocupa voc?





JM FORUM
O mais recente LIRAa demonstrou que a infestao do mosquito Aedes aegypti cresceu este ano, na comparao com o mesmo perodo em 2016. Na sua opinio, o que preciso intensificar para reverter este quadro?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2017