Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 24/11/2016

O enganador vitorioso

Compartilhar:

É conhecido o refrão pelo qual para se obter a vitória numa eleição tudo é permitido, menos perder. O impacto que o mundo sofreu no último dia 9 só se assemelha ao choque dos aviões que derrubaram as Torres Gêmeas.

Numa inexplicável coincidência, o que ocorreu em 9/11 se assemelha ao que se passou em 11/9, deixando os cinco continentes atordoados, sem encontrar explicação razoável, por maior que fosse o poder de previsão dos chamados “cientistas políticos”.

O chanceler José Serra, que em junho qualificava a vitória de Trump como uma hecatombe, agora tem o desplante de repetir o que Didi afirmara sobre a Seleção Brasileira: “Treino é treino, jogo é jogo. E o jogo começa agora”. Como se o passado do candidato fosse mera ficção.

Assim que surgiram os primeiros resultados favoráveis a Trump, choveram telegramas de todas as partes do mundo felicitando-o pela sua consagração, como se esta estivesse sendo aguardada.

Alguns que viam nele a vitória do racismo e da intolerância, temendo a reaproximação do EUA com Putin, passaram a louvá-lo, fazendo dele a única solução para todos os males existentes.

Entre os países bajuladores figurou o Brasil, cujo Presidente, além de confiar no “pleno êxito” do novo governo, manifestou-se “certo de que os dois países trabalharão juntos para estreitar laços de amizade e cooperação”. Com isto, abonou o discurso de “paz e amor” que constituiu o emblema de Lula, por ocasião de sua posse.

Dominando o Congresso dos EUA e a própria Corte Suprema, através da nomeação do ministro que irá desempatar as tendências daquela Casa, Trump terá melhores condições para abandonar a OTAN, deixando-a ao sabor das investidas do Kremlin, como já ocorrera na Ucrânia.

É inadmissível, senão num passe de mágica, que o candidato arrogante que prometera expulsar milhões de imigrantes do país, que iria erguer um muro na fronteira com o México, possa se converter de um dia para o outro num mensageiro da paz, mantendo o acordo de não proliferação nuclear que Obama celebrou com o Irã e a parceria Transpacífica (TPP), que inclui 12 países da América, Ásia e Oceania.

Tudo faz crer que a advertência de Abraham Lincoln ganhe atualidade mais cedo do que se possa esperar: “Podeis enganar toda a gente durante certo tempo; podeis mesmo enganar algumas pessoas todo o tempo; mas não vos será possível enganar sempre toda a gente”. 

(*) Advogado e conselheiro nato da OAB, diretor do IAB e do iamg, presidente da AMLJ
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog:
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018