Publicidade Rdio JM
Canais Facebook Twitter RSS RSS
Play Store App Store Estúdio Ao vivo
EDIÇÕES ANTERIORES:
 | 
BUSCA:     

 
ARTICULISTAS
Tamanho do texto: A A A A
Aristteles Atheniense - 10/08/2016

Juzes corajosos: sinal dos tempos

Compartilhar:

As acusações desfechadas pelos petistas, incluindo artistas e intelectuais da esquerda que empunham a bandeira contrária ao impeachment, tinham um alvo certo: o juiz Sérgio Moro.

Após a burlesca iniciativa dos defensores de Lula em denunciá-lo ao Comitê de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas por “abuso de poder” e “atos ilegais”, o ingente esforço do PT em impedir que seu líder fosse processado em Curitiba converteu-se em “tiro no pé”.

A acolhida dispensada à defesa pelo ministro Teori Zavascki importou na transferência do feito criminal para o foro de Brasília, onde ocorreram os fatos que lhe deram origem.

O juiz da 10ª Vara Federal, Ricardo Augusto Soares, recebeu a denúncia contra Lula, Delcídio do Amaral e mais cinco comparsas que tentaram comprar o silêncio do ex-diretor da Petrobras, Nestor Cerveró.

Ante a providência levada a efeito na ONU, é possível que os seus articuladores pretendam incluir um aditivo à temerária acusação, desta vez contra o juiz Ricardo Augusto Soares, devido à “constrição” imposta ao ex-presidente.

Em junho último, o juiz federal da 6ª Vara Criminal de São Paulo, Paulo Bueno de Azevedo, ordenou a prisão do ex-ministro Paulo Bernardo, esposo da senadora Gleisi Hoffmann, que serviu a Lula e Dilma em seus mandatos.

Esse magistrado aceitou a denúncia oferecida contra o ex-ministro do Planejamento e demais investigados na Operação Custo Brasil por organização criminosa, corrupção e lavagem de dinheiro, inobstante o “habeas corpus” que lhe concedera o ministro Dias Toffoli do STF.

Recentemente, o ex-presidente da Eletronuclear, vice-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, foi condenado a 43 anos de prisão pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro, com outros 12 envolvidos no mesmo processo, que é um desmembramento da Operação Lava Jato.

Essas decisões serviram para demonstrar que a disposição em punir infratores não é um apanágio do juiz federal de Curitiba, pois outros também têm a coragem de proceder da mesma forma.

Tornou-se, assim, patente que, felizmente, contamos com juízes que não se intimidam na aplicação da lei, diante de provas idôneas que assegurem o cumprimento das penas cominadas.

É um sinal alvissareiro de que, tal como ocorreu em Berlim, não faltarão julgadores imunes a influências políticas, dispostos a tornar a lei uma realidade – e não mera ficção. 

(*) Advogado e Conselheiro Nato da OAB, diretor do IAB e do Iamg, presidente da AMLJ
www.facebook.com/aristoteles.atheniense
Blog:
www.direitoepoder.com.br
Twitter: @aatheniense




San Marco - 16maio
EDIÇÃO DE HOJE
Edição de Hoje
SINTONIZE

ENQUETE
Voc concorda com a alterao do horrio de funcionamento de estabelecimentos comerciais e at mesmo da Prefeitura em decorrncia dos jogos da Seleo na Copa do Mundo?





JM FORUM
Voc acredita na briga de faces criminosas como motivao para as recorrentes mortes de detentos na penitenciria de Uberaba?
Comentar


AS EMPRESAS DO GRUPO JM DE COMUNICAÇÃO
JM Magazine JM Online JM JM Extra JM Rádio Vitória
Todos os direitos reservados ao Jornal da Manhã © 2018