JM Online

Jornal da Manhã 46 anos

Uberaba, 21 de agosto de 2018 -

BUSCAR EM TODAS AS SEÇÕES BUSCAR
Buscar

ARTICULISTAS

A dignidade pessoal

Palavras bíblicas ditas por um centurião romano dirigidas a Jesus Cristo quando a Ele...

- Por Dom Paulo Mendes Peixoto Última atualização: 28/05/2016 - 18:11:50.

Palavras bíblicas ditas por um centurião romano dirigidas a Jesus Cristo quando a Ele foi feito um pedido: “Senhor, não sou digno de que entres em minha casa” (Lc 7,6). A dignidade revela a identidade da pessoa. É um tema preocupante, porque a ação tem que coincidir com o estilo de vida das pessoas. Sabemos que em várias situações a prática é outra, diferente do discurso proferido.

Diante das contradições que acontecem no exercício de nossa cidadania, e até nas práticas da vida cristã, podemos ser facilmente tapeados. Isso tem sido muito comum nas escolhas que fazemos em tempo de eleições. Às vezes, somos influenciados pelas aparências, pelos discursos e acabamos nos dando mal, tendo que sofrer as consequências de administrações incompetentes e tendenciosas.

O natural desconhecimento histórico que temos da vida pregressa de uma pessoa, aquilo que fica apenas na penumbra de nossa mente, pode nos levar a grandes erros no momento da escolha, por exemplo, no caso do voto. Não bastam as influências midiáticas e as campanhas instantâneas. Não é fácil conhecer uma pessoa para saber se ela tem verdadeira dignidade pessoal.

A maneira autêntica de vida de Jesus de Nazaré conseguiu mobilizar as comunidades de seu tempo. Com isso, muitas pessoas começaram a ficar de seu lado e a segui-Lo. Seu principal objetivo era de promover a vida de forma inclusiva. Isso significa que Ele não fazia acepção de pessoas e conseguia recuperar a dignidade e o valor humano de todos que tinham contato com seu caminhar.

O Brasil não pode continuar sendo um país que discrimina seus patrícios, deixando muita gente numa vida totalmente indigna. Precisa acertar sua trajetória administrativa e colocar sua conduta apoiada na justiça e na honestidade. Sabemos que para isso é fundamental purificar seus órgãos de decisão e gestão, mudando as pessoas despreparadas no campo da moral e da ética.

O povo brasileiro tem ficado muito indignado diante de tanta irresponsabilidade dos administradores públicos. Isso fica mais grave ainda vendo cargos importantes sendo assumidos por quem tem contas a pagar na Justiça. O que esperar dessas pessoas se ninguém dá o que não tem. O país fica ameaçado na sua dignidade, e quem sofre mesmo com isso é o povo, principalmente os mais indefesos. 

(*) Arcebispo de Uberaba

Notícias Relacionadas

DESENVOLVIDO POR Companhia da Mídia